Tremor no Pacífico

Japão lança alerta de tsunami depois de terremoto no Chile

Agência Meteorológica Japonesa advertiu que ondas de até um metro de altura poderiam atingir as regiões costeiras

Atualizada em 02/04/2014 | 19h5402/04/2014 | 16h12
O Japão lançou nesta quinta-feira (hora local) um alerta de tsunami após o terremoto de magnitude 8,2, com epicentro no oceano Pacífico, que sacudiu o Chile terça-feira à noite, causando ao menos seis mortes. A Agência Meteorológica Japonesa advertiu que um tsunami, com ondas de até um metro de altura, poderia atingir as regiões costeiras do leste do Pacífico.


O ministro do Interior chileno, Rodrigo Peñailillo, confirmou na madrugada desta quarta-feira que, até o momento, são cinco os mortos em razão do terremoto de 8,2 graus registrado no norte do país. As vítimas são quatro homens e uma mulher, que morreram de ataque cardíaco ou por esmagamento. O ministro não detalhou as ocorrências.

Peñailillo anunciou ainda que o alerta de tsunami vigente na zona costeira do território porteiro foi suspenso desde Puerto Chacabuco, na região de Aysén, até a Antártica.

Leia mais:

::: Michelle Bachelet decreta zona de catástrofe no norte do Chile

 De acordo com um funcionário americano, o terremoto gerou ondas de até 2,11 metros.

Na costa do Peru, uma onda de cerca de um metro atingiu o litoral de Tacna, na fronteira com o Chile, "o que representa que não há risco de tsunami, mas é necessário adotar medidas de segurança", informou o comandante da Marinha, Colbert Ruiz.

Imagens da TV chilena mostraram a população abandonando as regiões costeiras, de forma ordenada, formando longas filas de automóveis. Segundo o ministério do Interior, o fenômeno não provocou vítimas ou danos significativos.

O tremor foi sentido nas regiões chilenas de Arica, Iquique e Antofagasta, fazendo soar as sirenes de alerta em diversas cidades do litoral norte.

Confira a galeria de fotos:



Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.