Padre Anchieta

Padre Martinho Lenz: Padre Anchieta criou um padrão de relacionamento respeitoso com os povos indígenas

"Ao aprender suas línguas e costumes abriu canais de diálogo e atração para a fé cristã"

04/04/2014 | 05h02

Quais as grandes contribuições de Anchieta à formação do Brasil? Antes de tudo, ele criou um padrão de relacionamento respeitoso com os povos indígenas, que defendeu contra a cobiça dos colonos. Ao aprender suas línguas e costumes abriu canais de diálogo e atração para a fé cristã.

Seus autos catequéticos, encenados nos átrios de igrejas e capelas, atraíam índios e mamelucos, jovens e adultos. A defesa da liberdade dos indígenas era ponto inegociável para os missionários.

A Revolta dos Tamoios foi em parte motivada pela escravização de numerosos índios, forçados a trabalhar nos engenhos de açúcar de S. Vicente. Uma cláusula da paz de Iperoig foi a devolução desses índios a suas famílias. A paz de Iperoig – mesmo que rompida depois – foi um passo importante na preservação da unidade nacional – de território e de religião, garantida com a expulsão dos huguenotes franceses em 1567. 

O segundo pilar da formação do Brasil foi o estabelecimento de uma rede de colégios, voltados ao ensino das artes, ofícios e das humanidades. Esses colégios jesuítas colocaram o fundamento do nosso sistema educacional, com efeitos duradouros em nossa história. Não é por nada que Anchieta é considerado o patrono da educação no Brasil.

Após sua morte em 1597, um cortejo de 3 mil indígenas acompanhou o seu corpo,  carregado até Vitória, num caminhada de 104  quilômetros. A trilha, chamada de “Caminho de Anchieta”, é percorrida por milhares de peregrinos, num preito de gratidão ao Apóstolo do Brasil.

Hoje, a Companhia de Jesus se faz presente no Brasil com 14 colégios, cinco centros universitários e dezenas de obras sociais.

VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.