Torres

Para juíza que decidiu pela cesariana contra vontade da mãe, direito à vida do nascituro é preponderante

Apesar de não apresentar ecografias, o laudo médico diz que a criança estava de pé

Por: Taís Seibt, de Torres
02/04/2014 - 18h47min
Para juíza que decidiu pela cesariana contra vontade da mãe, direito à vida do nascituro é preponderante Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal  

Responsável pela expedição da ordem judicial que levou Adelir Lemos de Goes a fazer uma cesariana contra a própria vontade, a juíza Liniane Maria Mog da Silva explica que sua decisão priorizou o direito à vida do nascituro.

– Não há dúvida de que deve haver liberdade de as pessoas decidirem pelo tipo de parto de sua preferência, mas neste caso o entendimento foi que deveria preponderar o interesse à saúde da criança – esclarece a juíza.

Leia mais:
Justiça obriga grávida a fazer parto cesariana em Torres
"Foi uma frustração", diz pai da menina que nasceu após cesariana determinada pela Justiça
PARTICIPE: qual sua opinião sobre a decisão da Justiça?
Doulas de parto: conheça um pouco do trabalho de mais três companheiras de mães e bebês

A decisão teve como amparo o laudo médico apresentado pelo Hospital Nossa Senhora dos Navegantes, assinado por duas obstetras. Zero Hora teve acesso ao conteúdo do laudo, por meio da juíza, mas a reprodução da íntegra das páginas não pode ser feita por se tratar de processo da Vara da Infância e da Juventude, protegido, portanto, por segredo de justiça.

O laudo não apresenta imagens de ecografias que permitam demonstrar a posição do feto. Textualmente, a médica afirma que se tratava de “feto único em situação podálica e dorso à direita”, ou seja, estaria em pé. O documento menciona ainda “prolapso do cordão umbilical”, o que poderia causar asfixia do bebê, e “cabeça derradeira”, termo técnico também relacionado à posição fetal. Há, ainda, menção ao risco de ruptura uterina em função de cicatrizes de outras cesarianas.

– O hospital procedeu corretamente em não se omitir diante da gravidade da situação descrita – comenta Liniane.

Conforme a juíza, a instrução do processo caberá à Vara da Infância e da Juventude em Torres. Podem ser ouvidas testemunhas para efeito de confirmar se a recomendação da cesariana era mesmo necessária no caso e obter maiores detalhes em torno da situação.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.