Anão dipomático?

Assessor especial da presidência menospreza porta-voz de Israel

De acordo com Marco Aurélio Garcia, Yigal Palmor é "o sub do sub do sub"

25/07/2014 | 15h55
Assessor especial da presidência menospreza porta-voz de Israel Roosewelt Pinheiro/ABR
Marco Aurélio Garcia é assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais Foto: Roosewelt Pinheiro / ABR

O assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, rebateu na manhã desta sexta-feira, a declaração do porta-voz da chancelaria de Israel, Yigal Palmor, de que o Brasil é um "anão diplomático" e um "parceiro diplomático irrelevante".

— (O porta-voz) é o sub do sub do sub do sub do sub do sub — afirmou Garcia a jornalistas, antes de solenidade no Palácio do Planalto, em que tomarão posse de seus cargos os membros do Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura.

Leia todas as notícias sobre Gaza
Leia todas as notícias de Zero Hora

Questionado se a declaração do porta-voz não teria sido deselegante, Garcia respondeu:

— Eu não sou especialista em elegância.

Entenda o conflito na Faixa de Gaza

Em uma rápida conversa com a imprensa, o assessor especial da Presidência também ironizou a estatura do porta-voz. Indagado sobre como o episódio estava sendo visto pelo Palácio do Planalto, o assessor completou:

— Eu não sei, porque ele (o porta-voz da chancelaria israelense) foi filmado daqui pra cima, não dá pra saber a estatura dele.

A réplica de Israel à nota do governo brasileiro, que classificou como "inaceitável" a escalada desproporcional da ofensiva militar sobre Gaza, mexeu com os brios do Itamaraty e do Planalto. Inclusive, resultou em uma tréplica do ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo.

— Eu devo dizer que o Brasil é um dos poucos países do mundo, um dos 11 países do mundo, que têm relações diplomáticas com todos os membros da ONU. E temos um histórico de cooperação pela paz e ações pela paz internacional. Se há algum anão diplomático, o Brasil não é um deles, seguramente — comentou Figueiredo nesta quinta-feira.

Na avaliação de diplomatas e assessores presidenciais a ordem é encerrar a escalada verbal entre os dois países e evitar bate-boca.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.