África

Ebola pode se espalhar como um rastilho de pólvora, alertam EUA

Mais de 670 pessoas morrerram infectadas pelo vírus neste ano

28/07/2014 | 21h00

O mortal vírus Ebola pode se propagar como rastilho de pólvora, alertaram autoridades de saúde norte-americanas nesta segunda-feira. Elas pediram aos viajantes da África ocidental que tomem precauções frente à maior epidemia da doença.

Desde março deste ano, foram registrados 1.201 casos de Ebola e 672 mortes em Guiné, Libéria e Serra Leoa, informaram os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) norte-americanos.

— A probabilidade de que esta epidemia se propague fora da África ocidental é muito baixa — avalia Stephan Monroe, do CDC. 

Leia todas as últimas notícias de Zero Hora

No entanto, de acordo com Monroe, a situação "evolui rapidamente" e os CDC têm que estar prontos para fazer frente à possibilidade de que um viajante leve a doença para os Estados Unidos:

— Nossa preocupação é que a epidemia pegue fogo no exterior, como um incêndio florestal que pode se propagar a partir de uma única árvore, só com as faíscas.

Nesta segunda-feira, a Libéria anunciou o fechamento de parte de suas fronteiras para tentar deter a propagação da febre hemorrágica. Na semana passada foi confirmado o primeiro caso na Nigéria.

A epidemia, detectada desde o começo do ano, foi declarada na Guiné, depois afetou a Libéria e em seguida, Serra Leoa, três países vizinhos.

O vírus Ebola é transmitido por contato direto com sangue, fluidos ou tecidos de pessoas ou animais infectados. A febre que provoca se manifesta com hemorragias, vômitos e diarreia. A taxa de mortalidade varia entre 25% e 90% entre os humanos e não há vacina que evite o contágio.

*AFP

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.