Oriente Médio

Entenda a origem da crise entre judeus e palestinos na Faixa de Gaza

Conflito teve início com ações de extremistas que provocaram mortes de adolescentes e reações dos dois lados

Atualizada em 31/07/2014 | 16h2913/07/2014 | 20h06
Entenda a origem da crise entre judeus e palestinos na Faixa de Gaza  Thomas Coex/AFP
Coluna de fumaça sai de prédios atigidos na Faixa de Gaza, após ataque israelense Foto: Thomas Coex / AFP

A animosidade entre judeus e palestinos resultou em uma nova escalada de violência, a partir de meados de junho, devido a uma série de incidentes envolvendo extremistas de ambos os lados.

O conflito na Faixa de Gaza decorrente dessa crise, que já matou centenas de palestinos mortos e dezenas de israelenses, teve início no dia 12 de junho após o sequestro de três jovens judeus — o que provocou reações cada vez mais violentas dos dois lados da fronteira.

Acompanhe todas as notícias sobre a crise na Faixa de Gaza

Os três adolescentes foram raptados perto de Gush Etzion, um bloco de colônias localizado entre as cidades palestinas de Belém e Hebron, no sul da Cisjordânia. Israel acusou o movimento islamita Hamas pelo desaparecimento, que negou participação no caso. O governo israelense deslocou militares para a região a fim de realizar buscas, prendeu dezenas de membros do Hamas e matou pelo menos cinco palestinos, enquanto foguetes começaram a ser disparados da Faixa de Gaza contra o território de Israel.

A tensão ficou ainda maior em 30 de junho, quando os corpos dos jovens judeus foram localizados com marcas de tiros. O vice-ministro israelense da Defesa, Danny Danon, declarou em um comunicado: "Os israelenses têm a vontade e a determinação para suportar uma longa operação para erradicar o Hamas". O grupo palestino respondeu à ameaça:

— Se os ocupantes lançarem uma escalada, ou uma guerra, abrirão as portas do inferno contra eles próprios — declarou um porta-voz do Hamas em Gaza.

Em retaliação às mortes dos adolescentes, dois dias depois da descoberta dos corpos um jovem palestino de 16 anos foi sequestrado e queimado vivo. Seis suspeitos judeus extremistas foram presos, e três deles confessaram o crime. Disparos de foguetes a partir de Gaza, seguidos por bombardeios israelenses de retaliação e confrontos esporádicos na Cisjordânia, aumentaram o temor de uma situação de violência generalizada. No dia 8 de julho, a aviação de Israel passou a realizar ataques aéreos contra a Faixa de Gaza, que antecederam uma operação militar por terra.

A crise foi deflagrada apenas um mês depois da criação de um governo de unidade nacional para a Palestina. Em 23 de abril, Hamas e a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) assinaram um acordo de reconciliação que propiciou a formação do governo no início de junho. A união foi criticada por Israel.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.