Israel/Gaza

Mohanned Haloub: "Nós estamos vivendo em uma grande prisão"

Palestino relata da Faixa de Gaza como é viver na zona da guerra

30/07/2014 | 05h02

O derramamento de sangue no confronto entre Israel e Hamas prossegue e milhares de pessoas sem vínculo militar têm as vidas atingidas pela guerra. ZH conversou com um israelense que vive em uma região alvo dos mísseis disparados pelo Hamas e com um palestino que foi obrigado sair da cidade onde morava, na Faixa de Gaza, por causa da incursão do exército israelense. Na entrevista a seguir, o comerciante palestino Mohanned Haloub, 38 anos, que teve que sair de casa norte do território e ir para o centro, conta é viver em uma área em conflito:

ZH — Há muitos soldados israelenses na região?
Mohanned Haloub —
Não aqui. Eles estão mais na fronteira. Eu saí da minha área por causa dos tiros e dos combates. Eu não podia ficar na minha casa.

ZH — Como e por que você saiu de casa?
Haloub —
Eu deixei minha casa, no Norte, porque o exército de Israel mandou muitas mensagens dizendo para eu deixá-la. Eles destruíram minha fazenda nos bombardeios e havia muitos tiroteios em volta da minha casa. Então, eu tinha que sair. Eles exigiram que eu saísse.

ZH — Você teve familiares ou amigos feridos?
Haloub —
Parentes da minha família foram mortos. Todos da mesma família. O homem, a mulher e os filhos. Em torno de oito pessoas da mesma família. Estamos em guerra. E meu escritório foi destruído também.

Leia todas as últimas notícias de Zero Hora
Leia todas as notícias sobre o conflito
Entenda a origem da crise na Faixa de Gaza

ZH — Quando você acha que a guerra vai acabar? A paz tem alguma chance?
Haloub —
Talvez nós teremos alguns dias (de trégua) para ajuda humanitária, mas não sei do futuro.

ZH — Essa é a primeira operação israelense que o senhor vivencia?
Haloub —
Não, é a terceira. E eu também vivenciei em 1990 a Guerra do Golfo.

ZH — A cidade onde você estava foi destruída?
Haloub —
Sobrou um pouco no chão. Um pouco, não muito. Nós podíamos viver até agora (o último conflito).

ZH — Onde você está agora tem água, comida e energia elétrica?
Haloub —
Temos água, não tínhamos energia e, sobre a comida, nós armazenamos antes (da guerra) e temos utilizado até agora. E água é a do mar, dessalinizada.

ZH — E você está na casa de quem agora?
Haloub —
Na casa de uns amigos (suspiro).

ZH — Você pensa em deixar Gaza?
Haloub —
Não. É minha casa, minha terra, meu trabalho, minha vida. Não podemos deixar isso.

ZH — Como está o sentimento das pessoas na região?
Haloub —
Todos querem ficar, mas querem viver em paz. Não querem mais problemas, estão todos muito cansados, não querem a guerra. Querem o direito de viver como humanos e não temos nada disso em Gaza. Essa guerra é pelos nossos direitos. Nós queremos direitos. Direito de sair de Gaza e retornar a Gaza. Poder comprar mercadorias de fora e enviar nossos produtos para fora. Nós estamos vivendo em uma grande prisão. Temos mar na costa, mas não podemos fazer nada no mar, não podemos pescar, não podemos explorá-lo. Não dá para pensar como era a vida antes da guerra.

ZH — Mas como são suas lembranças de antes dos conflitos?
Haloub —
Olha, minha vida foi em muitos países. Eu nasci no Kuwait, vivi na Síria por três ou quatro anos e vim para Gaza em 1994. Nessa época, a vida em Gaza era maravilhosa. Depois de 2000, começamos a vivenciar os problemas entre nós e os israelenses. Mas piorou muito depois de 2006, 2007. Passamos a não poder nos mover, trabalhar, fazer nada. Tudo piorou muito, muito. E passamos por três guerras depois disso. Mas essa guerra de agora é muito pior que a de 2008. Destruíram mais coisas aqui e estão matando mais civis, mulheres e crianças.

ZH — Obrigado pela sua ajuda.
Haloub —
Tchau. Espero um dia ver você em Gaza. Não se preocupe, é um lugar muito bonito. Mas com a paz será um lugar ainda mais bonito.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.