Combate

OMS anuncia fundo para combate ao vírus ebola

Doença causou 57 mortes em quatro dias no oeste da África

31/07/2014 | 20h03

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta quinta-feira a criação de um fundo de US$ 100 milhões para combater o surto do vírus ebola na Libéria, em Serra Leoa e na Guiné. O fundo, que será criado no dia primeiro de agosto, é uma resposta às 729 mortes causadas pela doença nos três países africanos — 57 delas em apenas quatro dias. Na quarta-feira, a Comissão Europeia havia anunciado a doação de mais 2 milhões de euros para a luta contra a epidemia.

Em comunicado, a diretora-geral da organização, Margaret Chan, disse que a escalada do surto de ebola e a ameaça persistente que representa requerem da OMS, da Guiné, da Libéria e de Serra Leoa elevar a resposta a um novo nível.

— E isso vai exigir mais recursos, perícia médica, preparação e coordenação regional — afirmou.

Leia as últimas notícias de Zero Hora

A Guiné já registrou 460 casos (336 confirmados, 109 prováveis, 15 suspeitos) e 339 mortes e a Libéria, 329 (100 confirmados, 128 prováveis, 101 suspeitos) e 156 mortes. A Nigéria teve somente um registro (caso de provável morte pela doença, ainda por confirmar) até o momento. Em Serra Leoa, de 533 casos notificados, 473 foram confirmados, 38 considerados prováveis e 22 suspeitos). Houve 233 mortes.

Dirigentes da OMS continuam a manter discussões com os doadores, parceiros do desenvolvimento e organizações internacionais para acelerar a resposta ao atual surto de ebola. O foco da discussão, segundo a OMS, está centrado na necessidade de implementar rapidamente recursos humanos e financeiros adicionais que ajudem a travar a transmissão e, consequentemente, o surto da doença.

A doença, transmitida por contato direto com sangue e fluidos corporais de pessoas ou animais infectados, causa hemorragias graves. A taxa de mortalidade chega a 90%.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.