Faixa de Gaza

Primeiro-ministro de Israel acusa Hamas de não respeitar cessar-fogo

Benjamin Netanyahu afirma que as operações militares vão continuar

Atualizada em 27/07/2014 | 13h1527/07/2014 | 13h10
Primeiro-ministro de Israel acusa Hamas de não respeitar cessar-fogo MOHAMMED ABED/AFP
Fumaça sai de prédio atingido por ataque aéreo de Israel em Gaza Foto: MOHAMMED ABED / AFP

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acusou neste domingo o Hamas de ter violado o cessar-fogo que tinha sido proposto pelo próprio movimento palestino e destacou que as operações militares vão continuar.

— Eles estão violando o próprio cessar-fogo que propuseram. Sob estas circunstâncias, Israel vai fazer o que tem de fazer para defender o seu povo — disse Netanyahu à emissora de televisão norte-americana CNN.

Anteriormente, o Hamas tinha concordado com uma trégua de 24 horas, em resposta ao pedido das Nações Unidas:

– Em resposta à proposta da ONU (...) foi acordado entre os movimentos da resistência uma trégua humanitária de 24 horas – afirmou em um comunicado o porta-voz do movimento islamita palestino, Sami Abu Zuhri.

Leia todas as notícias sobre o conflito
Entenda a origem da crise na Faixa de Gaza
Análise: o que leva israelenses e palestinos a viver recrudescimento de um conflito histórico que parece não ter fim

O primeiro-ministro de Israel disse à CNN que o exército de seu país vai continuar as operações para desmantelar os túneis do Hamas que ligam Gaza a território israelita, assim como os locais onde o movimento palestiniano armazena armamentos.

— Israel está a fazer o que qualquer país faria, tal como os Estados Unidos fariam se uma parte do território estivesse debaixo de fogo e onde uma pessoa tem entre 60 a 90 segundos para chegar a um abrigo — declarou Netanyahu.

Neste sábado, os ministros das Relações Exteriores de Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Alemanha, Itália, Turquia e Catar reunidos em Paris pediram uma extensão do cessar-fogo humanitário, em vigor em Gaza durante 12 horas. Estes países tentavam encontrar uma forma de colocar fim a 20 dias de violência dentro e nos arredores do enclave palestino que custou a vida de mais de 1.000 palestinos, em sua maioria civis, e de mais de quarenta israelenses, principalmente militares.

Manifestantes e policiais entraram em confronto em Paris
Foto: Kenzo Tribouillard / AFP

O conflito chega ao seu 19º dia com saldo de 1.033 palestinos e 46 israelenses mortos. No sábado, os bombardeios provocaram manifestações ao redor do mundo pelo fim dos ataques. Em Tel Aviv, velas foram acendidas na Praça Rabin pedindo o fim da ofensiva militar israelense. Na França, um protesto de apoio aos palestinos terminou em confusão entre polícia e manifestantes — as autoridades francesas haviam proibido a manifestação. Já em Londres, houve protesto em frente à embaixada de Israel.

* AFP e Agência Brasil

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.