Conflito violento

Sobe para 117 o número de mortos em ofensiva de Israel

Primeiro-ministro israelense declarou que "nenhuma pressão internacional" impedirá o país de "atacar os terroristas"

por AFP
12/07/2014 | 03h09
Sobe para 117 o número de mortos em ofensiva de Israel SAID KHATIB/AFP
Exército palestino já realizou diversos ataques aéreos Foto: SAID KHATIB / AFP

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, declarou na sexta-feira que "nenhuma pressão internacional" impedirá seu país de "atacar os terroristas", ao se referir à ofensiva contra o movimento palestino Hamas em Gaza, que já deixou 117 mortos em menos de uma semana.

Leia todas as notícias de Zero Hora
Leia todas as notícias sobre mundo

— Nenhuma pressão internacional nos impedirá de atacar os terroristas que nos atacam — declarou Netanyahu durante uma coletiva de imprensa no Ministério da Defesa em Tel Aviv.

Os ataques aéreos israelenses contra a Faixa de Gaza mataram doze palestinos na manhã de sábado (horário local), anunciou o porta-voz do Ministério da Saúde Ashraf al-Qudra. As quatro primeiras vítimas fatais foram em um ataque lançado em Jabaliya, no norte da Faixa de Gaza.

Em seguida, mais duas pessoas foram mortas em Deir el Balah, ao sul. Pouco depois, um jovem de 17 anos faleceu em um ataque contra a cidade de Gaza. Horas depois, dois ataques da aviação israelense mataram duas pessoas em uma associação de caridade em Beit Lahiya, no norte da Faixa de Gaza, e outras três no oeste da cidade de Gaza, segundo Ashraf al-Qudra.

No total, 117 pessoas morreram no território palestino desde o início da atual ofensiva de Israel, há cinco dias. Na manhã de sexta, também em Gaza, os ataques israelenses já haviam matado oito palestinos, incluindo uma criança e uma mulher, segundo o serviço de emergências.

Além dos 117 mortos, há mais de 600 feridos desde o início da operação israelense "Barreira de Proteção" na madrugada de terça-feira. Esse novo conflito é o mais violento desde a operação "Pilar de Defesa", que, em novembro de 2012, deixou 177 mortos palestinos e seis israelenses.

Na Faixa de Gaza, vários pontos da cidade ficaram destruídos
Foto: Mohammed Abed/AFP

Desde terça-feira, 8 de junho, cerca de 660 obuses e foguetes foram lançados de Gaza, incluindo 140 artefatos interceptados pelo sistema de defesa antimísseis "Domo de Ferro" ("Iron Dome", no inglês), relatou o Exército israelense na sexta à noite. Esses ataques não deixaram vítimas fatais em Israel, mas pelo menos dez pessoas ficaram feridas.

O Hamas, que governa a Faixa de Gaza, assumiu a autoria do lançamento de quatro foguetes de longo alcance M75 contra o aeroporto internacional Ben Gurion, na região de Tel Aviv. O alvo não chegou a ser atingido.

A nova escalada de violência começou após o sequestro e o assassinato de três estudantes israelenses no início de junho na Cisjordânia ocupada, crime pelo qual Israel culpa o Hamas. Alguns dias depois, um jovem palestino foi assassinado queimado vivo em Jerusalém, em uma ação de judeus de extrema-direita.

O confronto ameaça chegar ao norte de Israel, atingido por um foguete lançado a partir do Líbano, mas que não provocou vítimas. O Exército israelense, que respondeu com um ataque contra a localidade libanesa de Kfar Shuba, não acredita em um ataque do movimento xiita libanês Hezbollah, e sim de um pequeno grupo palestino.
 
Castigo coletivo

Em Jerusalém Oriental e nos Territórios palestinos, a situação era tensa durante a oração muçulmana semanal na sexta-feira de Ramadã. Temendo atos de violência, a polícia israelense restringiu mais uma vez o acesso à Esplanada das Mesquitas, na Cidade Velha de Jerusalém: apenas 12 mil muçulmanos puderam orar, muito menos do que nas últimas semanas.

Na Galileia, norte de Israel, quatro mil árabes israelenses se manifestaram perto de Nazaré contra "os crimes de guerra israelenses" em Gaza. A Força Aérea israelense lançou mais de 200 ataques na Faixa de Gaza nas últimas 24 horas contra alvos ligados ao Hamas, incluindo plataformas de lançamentos de foguetes, túneis, postos de controle, escritórios e casas.

Um fotógrafo da AFP viu vários barcos em chamas no porto de Gaza, incluindo o "Gaza Ark", um grande navio pesqueiro, com o qual uma organização internacional pró-palestina se preparava para tentar romper o bloqueio naval israelense. No terreno, os preparativos para uma possível operação terrestre continuam.

— Os terroristas em Gaza cometeram um grave erro ao atacar a população de Israel — repetiu o chefe do Estado-Maior israelense, general Benny Gantz, advertindo que seu Exército irá "ampliar suas atividades segundo suas necessidades e com as forças necessárias".

Cerca de 33 mil reservistas israelenses foram mobilizados para substituir os soldados no norte e no centro, a fim de realocá-los para perto da Faixa de Gaza.

— De momento, estamos na primeira fase: os ataques aéreos. Imagino que decidiremos amanhã, ou depois de amanhã, sobre a próxima etapa — disse na sexta o ministro israelense das Relações Exteriores, Avigdor Lieberman, partidário da linha-dura.

Dois soldados israelenses ficaram feridos nesta sexta por um míssil antitanque, perto do muro de segurança que separa Israel da Faixa de Gaza. Um fotógrafo da AFP viu uma grande concentração de armas de artilharia israelenses perto do enclave palestino.

Na frente diplomática, a comunidade internacional tem mobilizado, timidamente, esforços para deter a espiral de violência. Na sexta, o governo americano indicou estar disposto a usar sua "influência" no Oriente Médio para buscar um cessar-fogo entre Israel e o Hamas.

A oferta de Washington foi feita um dia depois de o presidente americano, Barack Obama, ter telefonado para o premiê Netanyahu e ter oferecido a mediação dos Estados Unidos para solucionar a mais recente crise entre Israel e o Hamas. Os Estados Unidos têm "uma série de contatos", que poderão ser usados para "tentar dar um fim aos ataques com foguetes que estão ocorrendo em Gaza e, como vimos esta manhã (sexta), no Líbano", disse o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest.

— Estamos interessados em levar adiante os passos que demos há um ano e meio, em novembro de 2012, para proporcionar um cessar-fogo e tentar voltar para a situação anterior — acrescentou.

Earnest reiterou que Israel tem o direito de se defender dos ataques com foguetes disparados pelo Hamas e afirmou que todas as partes devem tentar proteger os civis.

— É evidente que assassinaram civis, incluindo crianças. É trágico, e oferecemos nossas condolências às famílias — completou o porta-voz.

Também nesta sexta 34 ONGs divulgaram um comunicado conjunto, pedindo uma trégua e o respeito aos direitos Humanos na Faixa de Gaza. A Anistia Internacional pediu à ONU uma investigação internacional independente sobre as violações do Direito Internacional por parte de ambos os lados.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.