Prisões após protesto

UE se diz "muito preocupada" com prisão de Damas de Branco em Cuba

União Europeia pede a realização de reuniões pacíficas. Grupo de oposição é o único autorizado a realizar protestos no país

14/07/2014 | 21h16
UE se diz "muito preocupada" com prisão de Damas de Branco em Cuba Francisco Jara/AFP
Mulheres do grupo Damas de Branco são detidas em Havana Foto: Francisco Jara / AFP

A União Europeia (UE) manifestou nesta segunda-feira sua "profunda preocupação" com a prisão de 89 Damas de Branco e 9 homens no domingo em Havana, durante um protesto na rua.

— A UE lamenta o incremento, nos últimos meses, das prisões temporárias e pede às autoridades cubanas que autorizem as reuniões pacíficas — destacou seu porta-voz.

Leia todas as últimas notícias de Zero Hora
Leia todas as notícias de mundo


No domingo, uma centena de opositoras cubanas foram detidas durante uma passeata para assistir uma missa em Havana, por ocasião do 20º aniversário do naufrágio de um rebocador - interceptado por quatro navios - que deixou 37 mortos em 13 de julho de 1994.

Para lembrar a tragédia, uma flotilha formada por exilados cubanos nos Estados Unidos navegou até o limite das águas territoriais diante de Havana para soltar fogos de artifício durante a noite.

As Damas de Branco

O grupo, fundado em 2003 por familiares de presos políticos (já libertados), é o setor mais visível da oposição cubana e o único que tem autorização, desde 2010, para realizar protestos nas ruas.

Em fevereiro, a UE lançou um processo de normalização de suas relações com Cuba, regido pela chamada "Posição Comum", que condiciona os contatos e intercâmbios à situação dos direitos humanos, civis e políticos na ilha.

*AFP 

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.