Saúde

Libéria decreta estado de emergência por causa do vírus ebola

Presidente recordou que as medidas adotadas para deter o contágio não estariam funcionando

07/08/2014 | 01h11
A presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, decretou na madrugada desta quinta-feira o estado de emergência no país, diante de uma epidemia do vírus ebola que "exige medidas extraordinárias para a sobrevivência do Estado".

Em um discurso à Nação, a presidente recordou as medidas adotadas há duas semanas na Libéria para deter o contágio, incluindo a licença obrigatória de 30 dias para funcionários não-essenciais, o fechamento das escolas e a desinfeção dos locais públicos, "e apesar de tudo a ameaça segue aumentando".

ZH explica: o que é o vírus ebola
Confira todas as últimas notícias de Zero Hora

— A ignorância, a pobreza e as práticas culturais e religiosas seguem exacerbando a propagação da doença, em particular nas províncias — destacou Sirleaf, se referindo especialmente aos contatos com os mortos nos rituais funerários.

— A magnitude e a escala da epidemia e a virulência do ebola superam agora as capacidades e prerrogativas de qualquer agência governamental ou ministério — advertiu a presidente liberiana.

— O vírus ebola e as consequências da doença constituem agora um transtorno que afeta a existência, a segurança e o bem-estar da República, e representa um risco claro e imediato — concluiu Sirleaf, que apresentará sua decisão ao Parlamento nesta quinta-feira.

O mais recente boletim da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre todo o oeste da África, divulgado nesta quarta-feira, aponta 932 mortos desde o começo do ano, com 1.711 casos confirmados de ebola, sobretudo na Guiné (363), Libéria (282) e Serra Leoa (286).

Em Monróvia, capital da Libéria, muitos mortos foram deixados insepultos nas ruas, ou abandonados em suas casas.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.