Oriente médio

ONU condena violação de cessar-fogo em Gaza e pede libertação de soldado

Segundo organização, os últimos acontecimentos suscitam dúvidas sobre a credibilidade das garantias fornecidas às Nações Unidas pelo movimento islâmico Hamas

Atualizada em 01/08/2014 | 18h0301/08/2014 | 18h03
ONU condena violação de cessar-fogo em Gaza e pede libertação de soldado MOHAMMED ABED/AFP
Disparos de artilharia quebraram o cessar-fogo na Faixa de Gaza Foto: MOHAMMED ABED / AFP

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, condenou nesta sexta-feira a violação do cessar-fogo em Gaza e pediu a libertação imediata do soldado israelense, que teria sido capturado em território palestino.

Em uma declaração lida pelo seu porta-voz, o secretário-geral destacou que a ONU não pode confirmar de forma independente os fatos registrados desde o início da manhã, mas manifestou-se "profundamente decepcionado" e assegurou que os últimos acontecimentos suscitam dúvidas sobre a credibilidade das garantias fornecidas às Nações Unidas pelo movimento islâmico Hamas.

Ban também mostrou-se "muito preocupado" pelo reinício dos ataques israelenses durante a manhã, que segundo ele, já provocaram a morte de mais 70 palestinos.

Entenda a origem da crise entre judeus e palestinos na Faixa de Gaza
Leia todas as últimas notícias de Zero Hora
Leia todas as notícias sobre Mundo

O gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, acusou o Hamas e outros grupos militantes de "violação flagrante do cessar-fogo".

O porta-voz do Hamas respondeu ao considerar "ter sido a ocupação (israelense) a violar o cessar-fogo. A resistência palestina atuou com base no direito à autodefesa".

As Nações Unidas têm apelado a um cessar-fogo humanitário. O conflito já provocou mais de 1,6 mil mortos do lado palestino, a maioria civis, e de 63 soldados israelenses e três civis.

O porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, Ashraf al Qedra, declarou que a primeira violação do cessar-fogo humanitário de 72 horas, mediado pela ONU, foi efetuada pelo exército de Israel após a sua artilharia bombardear Rafah, junto à fronteira com o Egito.

Por sua vez, Israel informou que dois dos seus soldados foram mortos em combate e um terceiro poderá ter sido capturado pelas milícias armadas e acusou o movimento islâmico Hamas, que controla Gaza, de aproveitar o cessar-fogo para atacar as tropas.

* Agência Brasil

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.