Com habeas corpus

Raymond Whelan deixa prisão no Rio de Janeiro

Executivo foi preso em julho, suspeito de integrar máfia que vendia ilegalmente ingressos para jogos da Copa

06/08/2014 | 16h53
Raymond Whelan deixa prisão no Rio de Janeiro TASSO MARCELO/AFP
Whelan foi preso em julho, suspeito de integrar máfia de venda ilegal de ingressos Foto: TASSO MARCELO / AFP

Raymond Whelan, diretor da Match Services — empresa licenciada pela Fifa para realizar a venda de ingressos —, deixou o complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu, no Rio de Janeiro, no início da tarde desta quarta-feira. O inglês, que vai responder ao processo em liberdade, foi preso em 14 de julho deste ano, suspeito de integrar uma máfia de venda ilegal de ingressos para as partidas da Copa do Mundo. As informações são do jornal O Globo.

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (TRF), concedeu o habeas corpus nessa terça-feira. Ele alega que Whelan não deveria ser preso antes do julgamento.

Leia todas as notícias de Zero Hora
Leia todas as notícias sobre a Copa do Mundo
Polícia vai indiciar gerente de hotel por fuga de Raymond Whelan
Justiça do Rio nega pedido de habeas corpus de CEO da Match
Match defende Whelan após prisão: "Não cometeu nenhum ato ilegal"

Durante a Operação Jules Rimet, outras dez pessoas foram denunciadas e seguem presas em Bangu. De acordo com a polícia, o grupo repassava bilhetes de agências de turismo a preços maiores. As entradas deveriam ser entregues como cortesias a patrocinadores, ONGs e à comissão técnica da seleção. O valor faturado ultrapassava R$ 1 milhão por jogo.

Em infográfico, relembre como funcionou o esquema de venda ilegal de ingressos

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.