Dentro do galinheiro

Tornozeleira de preso é encontrada em pescoço de galo

Brigada Militar encontrou o equipamento no animal após prender detento

14/08/2014 | 22h59
Tornozeleira de preso é encontrada em pescoço de galo BM/Divulgação
A tornozeleira foi retirada do animal e levada à delegacia Foto: BM / Divulgação

Apesar de feitas para não serem violadas, as tornozeleiras eletrônicas destinadas a monitorar detentos do regime semiaberto já haviam sido encontradas abandonadas em ruas e residências pela Brigada Militar de Canoas. Mas na noite de quarta-feira, a ousadia de um preso motivou uma situação inusitada: quem vestia sua tornozeleira era um galo.

Leia as últimas notícias de Zero Hora

Durante uma abordagem em uma casa investigada como ponto de vendas de drogas no bairro Guajuviras, pouco antes das 23h, a BM prendeu um homem de 28 anos por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo. Ao consultar o nome dele no sistema, a polícia soube que ele cumpria pena no regime semiaberto, e ainda deveria estar usando uma tornozeleira eletrônica.

A BM realizou buscas na residência para encontrar o equipamento e o achou em um lugar pouco comum: o galinheiro. O homem teria tirado o aparelho de seu tornozelo e o colocado no pescoço de um galo. A tornozeleira foi retirada do animal e levada à delegacia.

Na residência do detido, também foram apreendidas 36 gramas de cocaína, 56 gramas de maconha e uma balança de precisão. Segundo a BM, no município, esta é a primeira vez que uma tornozeleira foi encontrada em um animal.

Leia mais:
Repórter de ZH testa tornozeleira eletrônica
Maioria dos presos do semiaberto rejeita o uso das tornozeleiras

A tornozeleira

— É composta de uma cinta com um cabo de fibra de aço e fibra ótica, e uma caixa à prova d'água onde estão os dispositivos de rastreamento e comunicação.

— Há um número de identificação que fica na parte de trás da caixa e é usado pela Susepe para o cadastro do apenado do semiaberto que tem o benefício de usar o equipamento.

— Por mês, o equipamento custa R$ 400 aos cofres públicos, com manutenção inclusa.

— Há uma bateria que dura cerca de 30 horas, um GPS, um sensor de luz e ar, dois chips de operadoras de celular, um dispositivo anti-impacto.

— Do lado de fora, uma luz comunica o status da bateria. Quando alterna entre verde e vermelho está descarregando.

— O equipamento é carregado na tomada, como um celular.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.