Investigação

"Uso da rede do Planalto para mudar perfis na Wikipédia é inadmissível", diz Dilma

Nesta sexta-feira, foi acrescentada a sigla LOL antes do título de um livro escrito pela jornalista Míriam Leitão

Atualizada em 09/08/2014 | 18h1609/08/2014 | 13h04
"Uso da rede do Planalto para mudar perfis na Wikipédia é inadmissível", diz Dilma  Diego Vara/Agencia RBS
Em abril, a presidente esteve em Porto Alegre para a formatura do Pronatec Foto: Diego Vara / Agencia RBS

A presidente Dilma Rousseff classificou de inadmissível o uso da rede de internet do Palácio do Planalto para alteração de perfis de jornalistas na Wikipédia, enciclopédia virtual.

— A minha é opinião é que isso é absolutamente inadmissível por parte do Planalto, do governo federal, ou por parte de qualquer governo. Nesse caso específico é algo que quem individualmente quiser fazer que o faça, mas não coloque o governo no meio — afirmou Dilma, candidata à reeleição pelo PT, durante evento de campanha em Osasco, na Grande São Paulo.

A presidente ressaltou que determinou à Casa Civil que faça uma investigação com a participação do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), do Ministério da Justiça, da Polícia Federal, da Secretaria-Geral da Presidência, e da Controladoria-Geral da União (CGU).

Dilma lembrou que já teve o e-mail invadido:

— O meu e-mail foi pirateado, a minha conta era UOL. Abriram meu e-mail, abriram totalmente meu e-mail, no final da campanha de 2010, ou no início, não me lembro ao certo. Eu repudio integralmente esse tipo de ação, como o fiz diante de todos os vazamentos — acrescentou.

Nesta sexta-feira, foi acrescentada a sigla LOL, usada na internet para zombarias, antes do título de um livro escrito pela jornalista Míriam Leitão. A sigla já foi retirada do verbete.

A nova mudança no perfil de Míriam Leitão foi divulgada no Twitter pelo perfil @brwikiedits, que, por meio de uma ferramenta, acompanha alterações feitas na Wikipédia a partir de computadores da rede do serviço público, de locais como Câmara, Senado, Supremo Tribunal Federal, Banco do Brasil, Petrobras e Procuradoria-Geral da República. Segundo o perfil, a nova mudança foi feita pelo IP 189.9.20.51, que corresponde a um computador da rede do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro).

Foi a segunda vez que o perfil de Míriam Leitão na enciclopédia virtual foi editado a partir de computadores do governo. Conforme o jornal O Globo revelou, em maio do ano passado a rede de internet do Palácio do Planalto foi usada para alterar os verbetes de Míriam e do jornalista Carlos Alberto Sardenberg, acrescentando críticas aos dois na Wikipédia.

A Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) condenou o uso de equipamento do Planalto e informou que as modificações foram realizadas por um número de rede de internet também utilizado para wifi. Já a Secretaria-Geral da Presidência informou que será feita uma investigação, com prazo de 60 dias para ser concluída.

Em sua coluna deste sábado, publicada no jornal O Globo, Míriam comentou que o episódio “só é comparável com a que acontece em governos autoritários” e fez críticas ao governo petista. Para a jornalista, o governo “não entende e não gosta da imprensa independente”. Confira um trecho da coluna de Míriam Leitão:

“No princípio, eu me assustei como cidadã. Era difícil acreditar que, da Presidência da República, foram postados ataques caluniosos a pessoas. Porque na democracia o aparato do Estado não pode ser usado pelo governo para atingir seus supostos adversários. A propósito: não sou adversária do governo; sou jornalista e exerço meu ofício de forma independente.”

* Com informações da Agência Brasil

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.