Segurança alvo de polêmica

Projeto tenta revogar lei do desarmamento

Câmara Federal realizou audiência pública para discutir regras mais flexíveis para a renovação do registro de armas

27/11/2014 - 10h12min
Projeto tenta revogar lei do desarmamento Charles Guerra/Agencia RBS
Requisitos para manter porte de arma são considerados exagerados por grupos favoráveis a mudanças na lei Foto: Charles Guerra / Agencia RBS  

Em vigor há 11 anos como medida para reduzir a violência no país, o Estatuto do Desarmamento volta a ser questionado pelos que defendem a posse de armas de fogo entre civis. Na quinta-feira, foi realizada audiência pública na Câmara Federal, em Brasília, para discutir a flexibilização das regras, especialmente no momento de renovar o registro de revólver ou pistola.

O projeto para mudar a Lei 10.826, de 2003, foi apresentado há dois anos pelo deputado Rogério Peninha Mendonça (PMDB-SC). O professor de direito civil Cesar Luis de Araújo Faccioli explica que o PL 3.722/12 é o caso de uma revogação expressa, já que manifesta em seu texto a intenção de derrubar a lei do desarmamento.

— É possível revogar uma lei a partir de outra, mas esta tem que versar sobre a mesma matéria, contrariando a que está em vigor. Projetos que revogam leis anteriores são votados de acordo com o processo legislativo normal: Câmara, Senado, sanção ou veto presidencial — esclarece Faccioli.

Rio Grande do Sul lidera ranking de desarmamento no país

O que mais incomoda o grupo do deputado catarinense são as exigências para renovar o registro da arma (teste de tiro ao alvo e exame psicotécnico a cada três anos), além da burocracia e das taxas. Sérgio Ilha Moreira, ex-deputado estadual, participou da audiência pública em Brasília. Lembrou que 63% dos brasileiros já haviam rejeitado a proibição de se comercializar armas, no referendo de 2005 — dois anos após o estatuto.

— Em resumo, a população quer ter o direito de possuir uma arma de fogo em casa, para a defesa pessoal — disse Ilha Moreira.

Leia todas as notícias de Zero Hora

Indicado pelo deputado federal Luis Carlos Heinze (PP-RS) para falar na audiência, Ilha Moreira alertou que milhões de pessoas podem se tornar ilegais por não renovarem o registro de suas armas. São aquelas que não se regularizaram no prazo de três anos.

— Esse projeto é para definir uma solução, tirar essas exigências absurdas — destacou.

Proposta polarizadora

A polêmica está instalada — ONGs pacifistas já ligaram o sinal de alerta (leia mais abaixo). O consultor em segurança Dempsey Magaldi, dono de clube de tiro, lamenta pelos "cidadãos idôneos" que ficarão na ilegalidade por não atualizarem os registros. Mas é contra a tentativa de revogar as normas de habilitação.

— Assim como o motorista de carro se submete a avaliações temporárias, o mesmo vale para o proprietário de uma arma, que precisa estar em condições físicas e psicológicas — recomenda Dempsey, do Grupo Magaldi.

Para o presidente da ONG Brasil Sem Grades, Luiz Fernando Oderich, o estatuto deveria ser revogado em função do referendo de 2005, quando mais de 59 milhões de brasileiros foram contra o veto ao comércio de armas e munições. Também avalia que a lei não teve o reflexo esperado na diminuição da criminalidade.

— Não gosto de armas. Tenho tudo para ser contra elas, já que meu filho foi morto por uma. Mas o desarmamento não trouxe resultado, e o cidadão de bem está desprotegido — ressalta Oderich.

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública confirma que os índices de violência seguem em alta. Mas, a partir de uma medição iniciada em 2006, assegura que a situação seria bem pior se não fosse o Estatuto do Desarmamento.

“Retrocesso”, criticam ONGs

Abrandar os critérios para registro e porte de armas é considerado um retrocesso por organizações pacifistas como a Viva Rio e o Instituto Sou da Paz.

— A cabeça do mundo armamentista é a de que todos os problemas podem ser resolvidos por meio do uso da arma de fogo. Tornar a lei mais permissiva é colocar arma na mão de quem não deve usá-la — afirma o coordenador de segurança humana da Viva Rio, Ubiratan Angelo, ex-comandante da Polícia Militar.

Analista sênior do Sou da Paz, Carolina Ricardo aponta que o rigor nas solicitações de registro e porte estabelecido por lei em 2003 teve impacto direto na diminuição dos homicídios por motivos fúteis:

— Uma briga dificilmente acaba em morte se não houver arma.

O direito individual à defesa é o que mais pauta as discussões sobre desarmamento. Para Angelo, usar o argumento de que desarmar o cidadão significa dar vez ao bandido é “uma falácia”.

— Quem usa arma para defesa deve tê-la grudada no corpo, em condições de pronto uso. Frente a uma situação de perigo, até a pessoa pegar a arma que está no armário já passou muito tempo. Fora que isso é uma reação a um assalto, causa de inúmeras mortes — justifica Angelo, salientando que 70% das armas apreendidas por policiais têm procedência legal, mas foram roubadas pelos criminosos.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.