Lei polêmica

Câmara aprova texto-base do projeto da terceirização

Lei recebeu 324 votos favoráveis e 137 contrários na noite desta quarta-feira

08/04/2015 - 20h59min | Atualizada em 08/04/2015 - 22h13min
Câmara aprova texto-base do projeto da terceirização  Gustavo Lima / Câmara dos Deputados/
Foto: Gustavo Lima / Câmara dos Deputados  

Por 324 votos favoráveis e 137 contrários, além de duas abstenções, a Câmara dos Deputados aprovou, na noite desta quarta-feira, o projeto que regulamenta a terceirização (PL 4330/14). Apenas o texto principal do projeto foi votado nesta quarta. Os destaques do projeto deverão entrar em votação somente na próxima terça-feira.


O relator do projeto, deputado Arthur Oliveira Maia (SD-BA), apresentou, antes do início da votação, um novo parecer que traz mudanças negociadas com o governo e com centrais sindicais. Ele negou que o projeto piore a situação dos trabalhadores e lembrou que a falta de norma é pior para o setor. Hoje, a terceirização é regulada por uma súmula do Tribunal Superior do Trabalho.


Manifestantes e polícia entram em confronto em protesto contra terceirização


— Aqueles que criticam a terceirização falam de precarização, mas a precarização decorre da falta de uma lei para tratar do tema — disse Maia.


O projeto autoriza a terceirização para todas as áreas de empresas. Hoje, a Justiça do Trabalho limita a subcontratação a áreas-meio, como limpeza, segurança e serviços especializados que não tenham relação com o objeto de empresa. A terceirização de funcionários da área-fim é considerada ilegal pela Justiça do Trabalho.


Manifestantes e deputados são feridos em protesto em Brasília


O texto também regulamenta obrigações de empresas contratantes e terceirizadas; exige que a contratante fiscalize o pagamento de encargos trabalhistas pela terceirizada; e obriga as fornecedoras de mão de obra a serem especializadas em um segmento.


O líder do PT, deputado Sibá Machado (AC), criticou o projeto. Para ele, a proposta impede o crescimento profissional de trabalhadores. Sibá citou o caso da ex-presidente da Petrobras Graça Foster, que entrou na empresa como estagiária e chegou ao topo.


Trabalhadores protestam contra projeto em Porto Alegre


— A terceirização não permite isso, não permite que nenhum trabalhador de qualquer setor possa pensar em ascensão futura, em cargos de comando — criticou.


O deputado disse ainda que a proposta traz a modernidade apenas para e empresa e não para as relações de trabalho. Ele também criticou a autorização dada ao projeto para terceirização em qualquer área da empresa.


Leia as últimas notícias


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.