Brasília

Anotação diz que BTG Pactual pagou R$ 45 milhões a Eduardo Cunha

Bilhete estava com chefe de gabinete de Delcídio Amaral e indica que Cunha teria recebido o valor para interferir na votação de uma Medida Provisória em favor de interesses do banco

29/11/2015 - 23h10min
Anotação diz que BTG Pactual pagou R$ 45 milhões a Eduardo Cunha ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: ANDRÉ DUSEK / ESTADÃO CONTEÚDO  

Uma anotação apreendida pela Procuradoria-Geral da República indica que o banco BTG Pactual, de André Esteves, pagou R$ 45 milhões ao deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atual presidente da Câmara, para ter atendido um de seus interesses em uma emenda provisória.

As informações são da Folha de S. Paulo.

O texto foi encontrado por policiais federais na casa de Diogo Ferreira, chefe do senador Delcídio Amaral (PT-MS). Ambos foram presos na última quarta-feira pela operação Lava-Jato.

Sobre anotação que indicaria propina de banco, Cunha diz que informação é "absurda"

A anotação está descrita no pedido da PGR para manter o assessor e Esteves presos por tempo indeterminado, o que foi aceito pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), neste domingo.

A anotação seria parte de um roteiro de Delcídio para tentar soltar o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, também preso pela Lava-Jato.

"Em troca de uma emenda à medida provisória nº 608, o BTG Pactual, proprietário da massa falida do banco Bamerindus, o qual estava interessado em utilizar os créditos fiscais de tal massa, pagou ao deputado federal Eduardo Cunha a quantia de 45 milhões de reais", diz o texto.

Seis partidos fecham acordo contra Cunha e decidem obstruir votações na Câmara

"Esse valor também possuía como destinatário outros parlamentares do PMDB", prossegue a descrição.

Essa MP, aprovada no Congresso em 2013, trata de operações bancárias. Um dos seus artigos pode ter beneficiado o BTG Pactual.

Cunha considerou "absurdo" o papel ligando seu nome ao recebimento de dinheiro por parte do BTG Pactual para alterar uma medida provisória de interesse do banco. "Parece armação", disse o deputado à Folha.

Votação sobre parecer de Cunha é adiada por pedido de vista

Crítico da operação Lava-Jato, Cunha teve contas na Suíça — que seriam abastecidas com dinheiro da Petrobras — reveledas pela investigação. O deputado rejeita a versão de que teria recebido recursos ilícitos.

Pelo episódio das contas, Cunha é alvo de investigação no Conselho de Ética da Câmara. O processo poderá terminar com a cassação do seu mandato.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.