Política

PMDB tira aliado de Dilma da liderança da bancada na Câmara

Leonardo Picciani havia se negado a indicar deputados antigoverno para comissão especial do impeachment. Novo líder é aliado de Eduardo Cunha

09/12/2015 - 12h05min
PMDB tira aliado de Dilma da liderança da bancada na Câmara Ananda Borges/Câmara dos Deputados / Divulgação
Em entrevista nesta terça-feira, Picciani minimizou o movimento contra ele Foto: Ananda Borges / Câmara dos Deputados / Divulgação  

Os deputados Osmar Terra, Darcísio Perondi e Leonardo Quintão, todos do PMDB, protocolaram no final da manhã desta quarta-feira um documento com 35 assinaturas para destituir Leonardo Picciani da liderança da bancada do partido.

Picciani é um aliado do governo Dilma, indicou dois ministros na última reforma administrativa (nas pastas da Saúde e da Ciência e Tecnologia), e pretendia nomear somente governistas para a comissão especial de impeachment. Foi esse posicionamento que provocou rebelião na parcela da bancada anti-Dilma, que emplacou uma chapa alternativa para a comissão de impeachment e, agora, derrubou Picciani.

Ministro do STF suspende instalação de comissão do impeachment
Confira, ponto a ponto, a análise da carta de Michel Temer

Com a mudança, o novo líder da bancada do PMDB será Leonardo Quintão, aliado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. A bancada passará a ser comandada por um grupo hostil ao Palácio do Planalto. O governo Dilma, para atrair o PMDB mineiro, chegou a oferecer a Secretaria da Aviação Civil a Quintão, na vaga de Eliseu Padilha.

— O líder (Picciani) estava tendo um comportamento mais perto dos seus interesses pessoais do que dos interesses da bancada e do partido — afirmou Terra.

Confira a íntegra da carta de Michel Temer para Dilma
"Não é um rompimento. É uma DR", diz Eliseu Padilha sobre carta
Carolina Bahia: DR entre Temer e Dilma tem alto custo para o governo

Logo após o protocolo das assinaturas, Picciani deixou a Câmara dos Deputados. Ele caminhou até o seu carro ao telefone e não deu declarações. A sua assessoria informou que ele iria participar de uma “reunião externa”, sem indicar o local e interlocutores. Sobre a destituição, foi dito apenas que ele ainda “não tem posição” a externar.

Em entrevista na terça-feira, Picciani havia minimizado o movimento contra ele.

— Falar é uma coisa, fazer é outra. Tenho convicção de que não possuem votos para isso — disse.

Com a mudança, o Planalto terá mais dificuldade para influenciar os rumos do PMDB na discussão do impeachment.

Leia as últimas notícias

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.