Versão mobile

Tempo

Cisne Branco vira durante tempestade em Porto Alegre

Não havia passageiros ou tripulantes na embarcação

Por: Karina Sgarbi e Greyce Vargas
30/01/2016 - 01h13min | Atualizada em 30/01/2016 - 21h31min
Cisne Branco vira durante tempestade em Porto Alegre Jefferson Botega/Agência RBS
Na manhã de sábado, barco estava submerso no Guaíba Foto: Jefferson Botega / Agência RBS

Um dos ícones de Porto Alegre, o barco Cisne Branco, que há décadas realiza passeios turísticos pelo Guaíba, afundou devido à força do temporal. Na manhã deste sábado, ainda era possível ver a lateral da embarcação sob a água turva. 

Proprietária do barco há 38 anos, Adriane Hilbig estava no Farol de Santa Marta, em Santa Catarina, quando um de seus marinheiros telefonou apavorado, por volta das 22h de sexta-feira. O fundo da estrutura — de 40 metros de cumprimento, três andares e capacidade para 200 passageiros — estava cheio d'água. O marinheiro relatou que ondas fortes batiam contra o casco, balançando a embarcação. Ele deixou o local e conseguiu se salvar, mas não foi possível evitar o desastre.

Preocupada, Adriane deixou Santa Catarina com o marido ainda durante a noite. Chegou a Porto Alegre por volta das 3h. Na manhã de sábado, observava o patrimônio perdido com tristeza, mas sem perder o otimismo.

— Em 38 anos, nunca tinha acontecido nenhum acidente com o barco. É uma grande tragédia, mas a gente vai fazer de tudo para recolocar o barco no lugar. Ainda bem que ninguém se machucou, não tinha tripulante nem passageiro na hora do temporal — disse a proprietária.

O Cisne Branco fez a última viagem às 18h30min de sexta-feira e voltou ao Cais Mauá por volta das 20h. Adriane entrou em contato com um engenheiro naval para pedir um estudo e saber quanto custará para recuperar o barco.

– Devo ter uma ideia do tempo e do custo neste domingo. Vamos ter que virar o Cisne ainda embaixo do rio e depois usar um equipamento para retirar a água. Depois ele vai para um estaleiro. Espero que logo logo o Cisne esteja de pé.

Conforme o sargento Carlos José da Silva Costa, do Grupamento de Busca e Salvamento do Corpo de Bombeiros de Porto Alegre, o Catamarã, que faz a travessia Porto Alegre-Guaíba, também chegou a se soltar durante a tempestade, mas foi preso depois. A operação ocorreu normalmente na manhã deste sábado.

Segundo a Rádio Gaúcha, o barco será desvirado com o auxílio de uma balsa. O trabalho começou na tarde deste sábado e tem previsão de durar pouco mais de um dia (28 horas). Como o Cisne Branco é muito grande, a retirada seria concluída apenas na segunda-feira

Confira a galeria com fotos do dia seguinte ao temporal em Porto Alegre:


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.