Porto Alegre

Iluminada, Redenção recebe famílias e artistas em serenata

Evento, que ocorre periodicamente na Capital, promove a ocupação dos espaços públicos em nome da segurança

23/01/2016 - 23h59min | Atualizada em 24/01/2016 - 14h39min
Iluminada, Redenção recebe famílias e artistas em serenata André Ávila/Agência RBS
Foto: André Ávila / Agência RBS

Centenas de pessoas participaram na noite deste sábado de mais uma edição da Serenata Iluminada na Redenção, em Porto Alegre, com o objetivo de ocupar o parque à noite e chamar a atenção do poder público para o tema da segurança pública. Artistas circenses e bandas dividiram o espaço com crianças, jovens e famílias próximo ao chafariz. Uma viatura da Guarda Municipal deu apoio no monitoramento.

Após polêmica do Batman, Serenata Iluminada tem reforço de policiamento

A Serenata Iluminada também é realizada periodicamente em outros locais de Porto Alegre, como o Cais Mauá e o Parque Moinhos de Vento. Uma das frequentadoras aproveitou o seu aniversário de 20 anos, celebrado neste 23 de janeiro, para reunir os amigos e desfrutar a noite quente ao ar livre. Vitória Oliveira Pacheco diz que a Redenção pode ser um "plano B" para quem quer sair à noite de forma tranquila:

– Vejo as pessoas participando mais. É um espaço para jovens que, por exemplo, não têm um canto, já que a Cidade Baixa acaba superlotada, e as festas também. A ocupação dos espaços públicos é super legal. É agradável estar aqui.

Pesquisa aponta que 56% apoiam cercamento da Redenção
  

Entre os participantes da Serenata, havia gente que foi ao Fórum Social Temático – encerrado neste sábado – e à abertura do Carnaval de Rua de Porto Alegre. Para Mariana Oliveira, 19 anos, moradora do bairro Sarandi, a única forma de estar na Redenção pela noite é em eventos como o de hoje:

Pequenos eventos tentam reaproximar as pessoas das ruas    

– Estou me sentindo segura agora. Em outras ocasiões, não. Tenho família aqui perto, minhas tias vêm, trazem comida, acendem velas. É bom aproveitar o espaço público, coisa que não estamos mais acostumados.

O carioca Flávio Medeiros, 29 anos, vive há três anos na Capital e diz que estar nos espaços públicos, principalmente à noite, reforça o sentimento de segurança de todos os moradores, não só os da região central:

– Sempre me senti bem com esses movimentos culturais de Porto Alegre, e vejo que melhorar a segurança da cidade é algo importantíssimo. Me sinto parte disso por morar aqui e no dever de participar do evento para dar força. Esse parque é muito bonito e pode ficar melhor com mais segurança.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.