Promessas do governador

Quais os desafios de Sartori para honrar compromissos assumidos

Em entrevista a ZH, governador apontou três prioridades na gestão: duplicação da ERS-118, concessão de estradas e ampliação do número de PMs. As iniciativas, porém, enfrentam barreiras

14/01/2016 - 03h03min
Quais os desafios de Sartori para honrar compromissos assumidos Diego Vara/Agencia RBS
Foto: Diego Vara / Agencia RBS

Se quiser honrar os compromissos assumidos em entrevistas concedidas quinta-feira passada, o governador José Ivo Sartori terá de superar uma série de entraves. Conhecido pela aversão a promessas, Sartori revelou três prioridades de sua gestão: concluir a duplicação da ERS-118 até o fim do mandato, lançar ainda este ano os primeiros editais para a concessão de estradas e apresentar, em fevereiro, projeto de lei para ampliar o número de PMs nas ruas.

Nenhuma das iniciativas depende exclusivamente da vontade do chefe do Poder Executivo. O caso mais emblemático é o da ERS-118, na Região Metropolitana. Desde 2006, quando as máquinas iniciaram o trabalho — suspenso há mais de ano —, sucessivos governos prometeram a conclusão. Nenhum cumpriu.

Sartori admite problemas na segurança, mas evita fazer promessas para 2016
Sartori se posiciona contra o impeachment de Dilma Rousseff

Com o agravamento da crise, o sonho parece ainda mais distante. Sartori inicia o segundo ano de gestão sem nem sequer ter um plano definido em relação à rodovia (veja quadro abaixo). Segundo o secretário dos Transportes, Pedro Westphalen, "duas ou três propostas estão sendo finalizadas", e as obras serão concluídas a tempo. Mas, na prática, não há garantias.
 
Quanto ao plano de concessões, Sartori depende da Assembleia para levar a iniciativa adiante. Se conseguir a aprovação e lançar os editais no prazo estipulado, ainda terá desafio maior pela frente: torcer para que apareçam interessados e fechar bons negócios para o Estado.

Entidades repudiam declarações de Sartori sobre salários de servidores
Piratini destinará R$ 90 milhões para dívidas com municípios e hospitais

Como o tema ganhou status de tabu, o líder do governo no parlamento, Alexandre Postal (PMDB), sabe que terá trabalho para convencer os aliados a darem o primeiro passo:

— Não vai ser uma coisa tranquila, mas vamos fazer o possível pela aprovação.

No caso dos PMs cedidos que atuam em áreas administrativas e poderiam estar policiando as ruas, também há dúvidas. A proposta não está clara e dependerá de aval do Legislativo. Há incertezas quanto a sua efetividade e restrições de entidades como a Associação de Cabos e Soldados (Amabf) e a Associação dos Oficiais da Brigada Militar (Asof).

Por austeridade, governo reduz gastos no primeiro ano de mandato
Veja mais notícias sobre Sartori

— Nem de longe isso vai solucionar a defasagem de efetivo. É mais um paliativo para iludir a população — afirma o presidente da Asof, coronel Marcelo Frota.

O comandante-geral da BM, coronel Alfeu Freitas defende a mudança:

— Diante das atuais circunstâncias, qualquer reforço é bem-vindo.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.