Versão mobile

"Cannabis charrúa"

Uruguai garante venda de maconha nas farmácias do país em 2016

Duas empresas venceram licitação para produzir a erva, que será adquirida somente por uruguaios e residentes mediante cadastro

20/01/2016 - 18h40min | Atualizada em 20/01/2016 - 18h47min
Uruguai garante venda de maconha nas farmácias do país em 2016 Stock.Xchng/Divulgação
Ao todo, 22 empresas participaram do processo licitatório e apenas duas foram selecionadas pelo governo  Foto: Stock.Xchng / Divulgação

Terceira e última etapa da lei aprovada no final de 2013 e em vigor desde maio de 2014, a venda de maconha em farmácias do Uruguai para uso recreativo terá início neste ano. A garantia é do responsável pela Junta Nacional de Drogas, Juan Andrés Roballo, que assumiu o cargo em 2015 e trabalha diretamente com o presidente Tabaré Vázquez no tema. 

Para testes, Polícia Federal planta mais de 70 pés de maconha em estufa no RS 

Ao todo, 22 empresas participaram do processo licitatório. Apenas duas foram selecionadas: Iccorp, de capital misto, e Simbiosys, de capital uruguaio. Elas plantarão a erva em áreas militares, com vigilância permanente do Estado. 

Nova York terá clínicas de produção e venda de maconha medicinal  

Somente uruguaios e residentes no país, com 18 anos ou mais, poderão comprar o cogollo, como é chamada a flor da cannabis, numa quantia máxima de 40 gramas por mês — 10 gramas por semana. Para isso, eles terão de se cadastrar junto ao governo. As outras etapas da lei já estão funcionando — cultivo pessoal e clubes canábicos. A primeira permite até seis plantas por pessoa, e a segunda determina que podem ser sócios de um clube até 45 membros, que poderão ter 99 plantas. As regras são as mesmas para os futuros compradores. 

Maconha: é hora de legalizar?  

— O que posso te afirmar é que a cannabis estará nas farmácias neste ano, seguramente, e que o projeto vai funcionar em todas as suas possibilidades no nosso período de governo. Temos uma preocupação de proteger o processo inicial. Estamos estimulando que todo mundo se registre e passe à legalidade — explica Roballo. 

Plantadores e clubes canábicos

Segundo ele, há três mil cultivadores de maconha ativos hoje no país, para uma população de aproximadamente 160 mil fumantes. Até agora, três clubes canábicos funcionam plenamente, e 20 esperam regularização. As empresas estão na etapa final de preparação para o cultivo. Na forma natural, são necessários cerca de seis meses para a floração; em estufas "indoor", entre três e quatro meses. 

O que saber para se posicionar sobre a legalização da maconha    

— As condições impostas às companhias foram restritivas e são permanentes. Não podemos fracassar com essa lei. Vamos avaliando passo a passo o que acontece. Não existe vontade política de marchar atrás no projeto. Ele vai funcionar e vai funcionar bem. Se amanhã temos o narcotráfico metido na produção e distribuição oficial da maconha, perdemos — ressalta Juan Andrés Roballo. 

Opinião ZH: contra as drogas, pela legalização da maconha

De acordo com o presidente da Junta Nacional de Drogas uruguaia, a demora na disponibilização da cannabis nas farmácias ocorre porque foi feito um pente-fino nas empresas concorrentes para descartar qualquer ligação delas com tráfico e lavagem de dinheiro: 

— Obviamente que precisamos derrubar medos e preconceitos. Algo que sempre foi ilegal gera medo. É um tema delicado.


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.