Versão mobile

Física

Detecção de ondas gravitacionais pode não render Prêmio Nobel, diz pesquisador  

Fenômeno, previsto pelo físico Albert Einstein há cem anos, nunca havia sido observado

Por: Agência Brasil
18/02/2016 - 23h09min | Atualizada em 19/02/2016 - 07h40min
Detecção de ondas gravitacionais pode não render Prêmio Nobel, diz pesquisador   SXS team/Bohn et al 2015
Visualização mostra o que imaginou Einstein: dois buracos negros se fundindo e gerando ondas gravitacionais Foto: SXS team / Bohn et al 2015

A primeira detecção de ondas gravitacionais anunciada na semana passada pode render o Nobel de Física deste ano aos pesquisadores responsáveis pelo feito. O fenômeno, previsto pelo físico Albert Einstein há cem anos, nunca havia sido observado. No entanto, o pesquisador do Instituto de Física Teórica da Unesp, Riccardo Sturani não acredita que a descoberta ganhará o prêmio.

— Não acredito que a detecção renderá um Nobel, porque já se sabia que as ondas gravitacionais existiam e já se esperava sua comprovação. Talvez as pessoas responsáveis pela pesquisa inicial e pelo Ligo (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory, na sigla em inglês) nos anos 80 ganhem o Nobel — acredita.

Leia mais
"Ganhamos outro sentido para observar o Universo", diz cientista sobre ondas
Ondas gravitacionais previstas por Einstein são detectadas, um marco na física  
Comprovada última parte que faltava da Teoria da Relatividade de Einstein  

Os pesquisadores do projeto Ligo encontraram "distorções no espaço e no tempo" causadas por um par de buracos negros com massas enormes interagindo entre si. Os prováveis indicados ao Nobel deste ano pela pesquisa são Kip Thorne e Ronald Drever, do Caltech, Rayner Weiss, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), idealizadores da tecnologia por trás do experimento.

O feito já é considerado pela comunidade científica uma das descobertas científicas mais importantes nos últimos anos, graças à cooperação internacional que tornou possível a observação.

Interferômetros

O sistema opera dois interferômetros (dispositivos que medem o deslocamento das ondas de um raio de luz) semelhantes. Um está localizado em Livingston, na Louisiana, e o outro em Hanford, Washington, a uns 3 mil quilômetros de distância. Cientistas de mais de 40 instituições de todo o mundo trabalham continuamente analisando os dados do Ligo.

Sturani, um dos líderes da equipe brasileira responsável pela análise de dados gerados pela detecção de ondas gravitacionais, fez, nesta quinta-feira (18), uma palestra sobre a descoberta. O pesquisador explicou que qualquer objeto com massa deveria gerar essas ondas quando está em movimento.

— Quanto maior a massa, mais intenso será o movimento, e maiores serão as ondas — completa.

Ele também destacou a dificuldade de se separar as ondas gravitacionais dos ruídos que podem "sujar o sinal". O cientista falou, ainda, sobre o novo observatório Ligo que será construído na Índia. Segundo o pesquisador, o projeto vai complementar os esforços dos outros dois observatórios localizados nos Estados Unidos.

Nobel de Fìsica

O Nobel de Física é atribuído anualmente, em outubro, pelos membros da Academia Real das Ciências da Suécia, a eminentes pesquisadores que se tenham destacado na produção de conhecimentos inovadores no domínio na área. A medalha e o diploma da fundação são oficialmente entregues pelo rei da Suécia, a 10 de dezembro, dia do aniversário da morte do criador do prêmio, Alfred Nobel.

John Bardeen é o único premiado por duas vezes, em 1956 e 1972. William Lawrence Bragg é o mais jovem laureado, ganhando o prêmio em 1915 com 25 anos na época. Duas mulheres já foram laureadas com o prêmio, Marie Curie (1903) e Maria Goeppert-Mayer (1963).

Confira a lista dos premiados nos últimos cinco anos:

2015: Takaaki Kajita (Japão) e Arthur Bruce McDonald (Canadá) foram premiados pela descoberta das oscilações do neutrino, que mostram que os neutrinos têm massa.

2014: Os japoneses Isamu Akasaki, Hiroshi Amano e Shuji Nakamura receberam o Nobel de Física pela invenção de diodos azuis emissores de luz (LED) que permitiram fontes de luz brilhantes e economizadoras de energia.

2013: François Englert (Bélgica) e Peter Higgs (Reino Unido), por trabalhos sobre o bóson de Higgs, também conhecido como "partícula de Deus".

2012: Serge Haroche (França) e David Wineland (Estados Unidos), por métodos experimentais inovadores que permitem a medição e a manipulação de sistemas quânticos individuais, a pesquisas em ótica quântica permite a criação de computadores superpotentes e relógios com precisão extrema.

2011: Saul Perlmutter e Adam Riess (Estados Unidos), Brian Schmidt (Austrália/EUA), por suas descobertas sobre a expansão acelerada do universo, através de observações de supernovas distantes.

Leia as últimas notícias de Zero Hora

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.