Versão mobile

Caso Bernardo

Madrasta de Bernardo é internada para atendimento psiquiátrico na Capital

Graciele Ugulini estaria tendo crises de depressão na penitenciária de Guaíba, e foi levada ao Instituto Psiquiátrico Forense para tratamento intensivo

12/02/2016 - 12h42min
Madrasta de Bernardo é internada para atendimento psiquiátrico na Capital Ricardo Duarte/Agencia RBS
De acordo com a Susepe, apenas a cadeia de Guaíba tem condições de dar segurança à madrasta Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

Recolhida na Penitenciária Estadual Feminina de Guaíba, na Região Metropolitana, Graciele Ugulini — madrasta do menino Bernardo Uglione Boldrini — foi internada no Instituto Psiquiátrico Forense (IPF), em Porto Alegre. É a terceira vez que uma das acusadas pela morte de Bernardo recebe atendimento médico na Capital. 

Conforme a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), ela chegou ao IPF há uma semana e não tem previsão de alta. A Justiça de Três Passos não foi comunicada da internação porque não se trata de uma transferência ou remoção. De acordo com a Susepe, apenas a cadeia de Guaíba tem condições de dar segurança à madrasta.

Leia mais:
Tribunal de Justiça adia decisão sobre júri popular no Caso Bernardo
Carta encontrada após morte foi escrita por mãe de Bernardo, aponta IGP Boldrini disse à polícia que saiu de consultório depois de ouvir um tiro

Ela estaria tendo problemas psiquiátricos na penitenciária e, por isso, necessitou de avaliação especializada. Graciele enfrenta crises de depressão na penitenciária e agora passa por um tratamento intensivo para poder retornar à Região Metropolitana. Por meio de sua defesa, ela solicitou, em outras ocasiões, a mudança de Guaíba para um local mais perto de sua família, que vive em Santo Ângelo. A Justiça, porém, não autorizou. Procurado por Zero Hora, o advogado dela, Vanderlei Pompeo de Mattos, não quis se manifestar. 

Julgamento sem data definida

A madrasta de Bernardo foi detida em abril de 2014, quando o corpo de Bernardo foi encontrado em uma cova no interior de Frederico Westphalen, no norte do Estado. Além dela, os irmãos Edelvânia e Evandro Wirganovicz e o médico Leandro Boldrini, pai do garoto, são réus por homicídio qualificado. 

Eles aguardam o julgamento, ainda sem data definida, na prisão. O caso começou a ser esclarecido quando Edelvânia confessou à Polícia Civil os detalhes da morte, incluindo o local onde o menino acabou enterrado. No depoimento, ela disse ter ajudado a madrasta a assassinar a vítima e esconder o corpo. 

Porém, em entrevista a ZH em novembro de 2015, Edelvânia mudou a versão e afirmou que o homicídio não foi premeditado (veja no vídeo abaixo).


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.