Corrupção na Petrobras

Por que Sergio Moro colocou Lula no banco dos réus da Lava-Jato

Magistrado elencou pelo menos cinco indícios materiais e testemunhais de que o ex-presidente é possível proprietário de imóvel doado por empreiteira

20/09/2016 - 18h49min | Atualizada em 20/09/2016 - 19h00min
Por que Sergio Moro colocou Lula no banco dos réus da Lava-Jato Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados/Fotos Públicas
Juiz paranaense Sérgio Moro (ao microfone) aceitou denúncia e transformou Lula em réu da Operação Lava-Jato Foto: Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados/Fotos Públicas

O juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, elenca pelo menos cinco motivos para aceitar a denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF) contra Lula e sua esposa, Marisa Letícia. Ele mistura, no despacho, indícios materiais (interceptação de diálogos no celular de suspeitos) e testemunhais (depoimentos de réus e também de moradores do edifício do qual Lula é suspeito de ser proprietário de um triplex) de que um imóvel no Guarujá teria sido doado ao ex-presidente pela empreiteira OAS. Confira:

Lula não foi cobrado pela OAS

Moro considera estranho que, apesar de Lula não ter pago as parcelas do apartamento no Guarujá a partir de 2009, a OAS deixou de cobrar dele e de sua mulher pelo saldo devido pelo apartamento.

Testemunhas viram Lula no triplex

"...afirmaram a vinculação do ex-presidente e de sua família com o apartamento, pelo menos através de visitas ao local, diversas testemunhas, como, entre outros, o zelador do prédio, a porteira do prédio, o síndico do prédio, engenheiro encarregado do prédio e empregado de empresa contratada para a reforma do apartamento", diz trecho do despacho de Moro.

Leia mais:
Sérgio Moro aceita denúncia contra Lula
MPF denuncia Lula por corrupção e lavagem de dinheiro
"Provem minha corrupção e eu irei a pé até ser preso", diz Lula

WhatsApp comprometedor

Diálogos de WhatsApp interceptados, nos quais dirigentes da OAS mencionam o fim de obras na "cozinha do Chefe e da Madame" (referência que o MPF considera ser a Lula e Marisa Letícia). O diálogo:

"Paulo Gordilho (OAS) - O projeto da cozinha do chefe tá pronto se marcar com a Madame pode ser a hora que quiser.

Léo Pinheiro (OAS) - Amanhã às 19h. Vou confirmar. Seria bom tb ver se o de Guarujá está pronto.

Paulo Gordilho - Guarujá também está pronto.

Leo Pinheiro - Em princípio amanhã às 19h.

Paulo Gordilho - Léo. Está confirmado? Vamos sair de onde a que horas?

Leo Pinheiro - O Fábio (filho de Lula) ligou desmarcando. Em princípio será às 14hs na segunda. Estou vendo, pois vou para o Uruguai.

Paulo Gordilho - Fico no aguardo.

Leo Pinheiro - Ok."

Colocação de imóveis em nome de amigos

O juiz Moro considera existirem indícios de um "modus operandi" consistente na colocação, pelo ex-presidente, de propriedades em nome de pessoas interpostas para ocultação de patrimônio. Isso teria ocorrido não só com o apartamento 164-A do Edifício Solaris, no Guarujá, mas também com o sítio em Atibaia (SP).

Amigo fala em reformas para o presidente

José Carlos Bumlai declarou, em depoimento, que o sítio em Atibaia seria utilizado pelo ex-presidente e que ali realizou reformas consideráveis a pedido de sua esposa e em decorrência da amizade. Moro interpreta como sinal de que Lula aceitou favores de amigos e das empreiteiras.


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.