Investigação

"Tenho carnes deles agora no meu freezer", diz Tony Ramos sobre frigorífico alvo de operação da PF

Ator é garoto propaganda da empresa Friboi, do grupo JBS, investigada na Carne Fraca

17/03/2017 - 11h38min | Atualizada em 17/03/2017 - 19h27min
"Tenho carnes deles agora no meu freezer", diz Tony Ramos sobre frigorífico alvo de operação da PF Zé Paulo Cardeal/TV Globo/Divulgação
Foto: Zé Paulo Cardeal / TV Globo/Divulgação  

Após a Polícia Federal (PF) deflagrar, na manhã desta sexta-feira, a operação Carne Fraca, em que fiscais corruptos permitiam a emissão de certificados de sanidade animal para produtos vencidos e de má qualidade, o ator Tony Ramos afirmou estar surpreso com a notícia. A PF investiga as principais empresas do setor, como a BRF Brasil, que detém marcas como Sadia e Perdigão, e a JBS, responsável por Seara e Friboi, marca para a qual Tony atua como garoto propaganda em peças publicitárias. As informações são do site Ego.

Em entrevista ao portal, ele disse ser "apenas contratado pela empresa de publicidade" e não ter nenhum contato com a JBS.

— Não sou técnico no assunto em que a Polícia Federal está fazendo a ação, mas existe um controle em todas as embalagens, existe um código de barras em que as pessoas podem acompanhar a qualidade e a validade. Eu já visitei uma das fábricas, continuo comprando os produtos Friboi, tenho carnes deles agora no meu freezer e uso nos meus churrascos do fim de semana — disse ele ao Ego.

Ramos contou ainda que acredita na boa qualidade dos produtos e que irá entrar em contato com a empresa que o contratou para obter informações.

Leia mais:

Alvos da Operação Carne Fraca são suspeitos na Lava-Jato
PF mira gigantes do setor de alimentos e combate venda de carne adulterada
Três anos da Lava-Jato, a operação que sacode o Brasil

Operação

Na tentativa de desarticular uma organização criminosa liderada por fiscais agropecuários e empresários do agronegócio, a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Carne Fraca, no Rio Grande do Sul e em outros seis Estados. De acordo com a investigação de quase dois anos, as superintendências regionais do Ministério da Pesca e Agricultura (Mapa) no Paraná, em Minas Gerais e em Goiás atuavam diretamente para proteger grupos empresariais.

Leia as últimas notícias


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.