Delações da Odebrecht

STF reforça equipe de Fachin para agilizar Lava-Jato 

Nos próximos dias, servidores que atuam em outras áreas do Supremo devem ser deslocados ao gabinete do relator

Por: Matheus Schuch/RBS Brasília
17/04/2017 - 19h04min | Atualizada em 17/04/2017 - 21h54min
STF reforça equipe de Fachin para agilizar Lava-Jato  Diego Vara/Agencia RBS
Foto: Diego Vara / Agencia RBS  

Devido ao grande volume de processos originados das delações de executivos e ex-executivos da Odebrecht, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu reforçar a equipe do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato na Corte. O objetivo é dar mais celeridade à análise do material. Ainda não há detalhes sobre o número de assessores e sobre o início da atuação deles.

Leia mais:
Fachin envia inquéritos contra Aécio, Jucá e Renan para Polícia Federal
Odebrecht é condenada por juiz dos EUA a pagar US$ 2,6 bi em multas
STF vai dar a prioridade necessária para a Lava-Jato, diz Alexandre de Moraes

A decisão de aumentar o número de profissionais no gabinete de Fachin foi tomada após uma reunião do ministro com a presidente do STF, Cármen Lúcia. Nesta segunda-feira, eles discutiram a abertura dos 76 inquéritos com base nas delações da Odebrecht, cuja autorização foi expedida por Fachin na semana passada.

Antes das informações relatadas pela Odebrecht, o STF reunia cinco ações penais e 37 inquéritos no âmbito da Lava-Jato. Agora, são 113 inquéritos ligadas ao caso. Ao todo, 195 pessoas são alvo de processos da Lava-Jato na Corte, seja por possuir foro privilegiado ou por suspeita de envolvimento em algum processo envolvendo políticos com essa prerrogativa.

Nos bastidores, o ministro Fachin já externou que não pode se dedicar com exclusividade à Lava-Jato, pois acumula milhares de processos relacionados a outros assuntos. Nos próximos dias, servidores que atuam em outras áreas do STF devem ser deslocados ao gabinete do relator. Até agora, a Corte confirmou que será uma equipe especializada, sem informar outros detalhes.

O incrementa na equipe de Fachin já era defendido pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Nesta segunda, o presidente da entidade, Claudio Lamachia, protocolou um ofício no STF reivindicando a criação de uma força-tarefa para analisar os processos relacionados à Lava-Jato. No entanto, a iniciativa de Cármen Lúcia não teria sido tomada em razão do pedido.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.