Lanceiros Negros

Piratini critica deputado detido em desocupação por "incitar o descumprimento da lei"

Governo diz que ofereceu opções de moradia para acomodar famílias, mas que alternativas foram recusadas por motivos ideológicos e políticos

Por: Zero Hora
15/06/2017 - 22h17min | Atualizada em 15/06/2017 - 22h52min

O chefe da Casa Civil do governo do Estado, Fábio Branco, divulgou nota, na noite desta quinta-feira (15), defendendo a ação da Brigada Militar durante o cumprimento da reintegração de posse na ocupação Lanceiros Negros, na quarta-feira (14). No comunicado, faz referência ao deputado estadual Jeferson Fernandes (PT), preso durante a desocupação. Sem citar o nome do parlamentar, o secretário diz que "não cabe mais a um deputado incitar o descumprimento da lei".

"Lastimamos os acontecimentos gerados por quem tem o dever de cumprir e respeitar a lei, de não obstruir o cumprimento de decisões judiciais, e que, a pretexto de defender causas sociais, age para angariar dividendos políticos e midiáticos", diz um trecho do documento.

Leia mais:
"Não há avaliação ainda sobre a atitude da BM", diz chefe da Casa Civil
"Eu estava no exercício do meu mandato", diz deputado detido em desocupação
Edegar Pretto  fala em "cenas de tortura" da BM em prisão de deputado estadual

Branco também informa que os deputados devem utilizar a Assembleia como palco para suas defesas e manifestações:

"Não é papel deles incitar e reagir à ordem judicial com violência", escreve.

No comunicado, o chefe da Casa Civil também afirma que o Estado tentou diálogo com os moradores da ocupação durante dois anos, mas não obteve êxito, destacando que a "prática de ocupações e invasões ilegais e a depredação de bens públicos são inaceitáveis".

"A decisão foi judicial, cumprida com correção pela Brigada Militar e acompanhada por autoridades do Judiciário, inclusive pelo oficial de justiça Iuri da Fontoura Vieira, que a tudo acompanhou".

Branco também diz que o Piratini "ofereceu alternativas de habitação que foram recusadas, revelando exclusivo interesse ideológico e político".

Procurado por Zero Hora, o deputado Jeferson Fernandes condenou a nota do governo, afirmando que a declaração do chefe da Casa Civil é leviana e irresponsável, porque ele estava no exercício de sua função como deputado em uma audiência pública. O parlamentar disse que o líder do governo na Casa sabia de sua participação na reunião.

— Isso é uma leviandade. Uma irresponsabilidade política. O governo tinha que responder pelas atrocidades que a tropa (de Choque) cometeu, descumprindo todo e qualquer protocolo legal.

Fernandes disse que a nota é uma afronta ao Parlamento e que não existe limitações de áreas para a atuação dos deputados:

— Não há limitação (de espaço para debate). O deputado trabalha para todo o Estado. 

O parlamentar também disse que o governo está omitindo a verdade ao defender a ação da BM na reintegração de posse, porque a desocupação não foi cumprida de acordo com as normas legais. 

— Está tudo filmado. Não há dúvidas da truculência (da BM). Os caras primeiro atiraram e depois, com muita insistência minha, disseram que era para a gente sair da frente. Se não fosse isso, ninguém teria visto o oficial de Justiça.  

Confira a nota na íntegra:

O chefe da Casa Civil, Fábio Branco, esclarece sobre o episódio de desocupação do prédio do governo do Estado, no Centro de Porto Alegre.

1 - Foi feito intenso esforço pelo diálogo, durante dois anos, e nenhum acordo foi aceito.

2 - A prática de ocupações e invasões ilegais e a depredação de bens públicos são inaceitáveis.

3 - O governo ofereceu alternativas de habitação que foram recusadas, revelando exclusivo interesse ideológico e político.

4 - A decisão foi judicial, cumprida com correção pela Brigada Militar e acompanhada por autoridades do Judiciário, inclusive pelo oficial de justiça Iuri da Fontoura Vieira, que a tudo acompanhou.

5 - Lastimamos os acontecimentos gerados por quem tem o dever de cumprir e respeitar a lei, de não obstruir o cumprimento de decisões judiciais, e que, a pretexto de defender causas sociais, age para angariar dividendos políticos e midiáticos.

6 - Não vivemos mais tempos de ditadura. Ao contrário, vivemos tempos em que a justiça precisa valer para todos, indistintamente. Não cabe mais a um deputado incitar o descumprimento da lei. Os deputados têm na Assembleia Legislativa, e nas ações que lá desenvolvem, o palco para suas defesas e manifestações. Não é papel deles incitar e reagir à ordem judicial com violência.

Casa Civil do Estado do Rio Grande do Sul


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.