Predador nanico

Confundido com baleia, tiranossauro do tamanho de humano é descoberto no Alasca

Nanuqsaurus viveu no Ártico há cerca de 70 milhões de anos e era duas vezes menor do que seu "primo" famoso, o Tyrannosaurus rex

13/03/2014 | 16h04
Confundido com baleia, tiranossauro do tamanho de humano é descoberto no Alasca Anthony R. FiorilloRonald S. Tykoski/PLOSOne / Divulgação
Comparado ao Tyrannosaurus rex (B), o Nanuqsaurus (A) era nanico, do tamanho de um humano adulto Foto: Anthony R. FiorilloRonald S. Tykoski / PLOSOne / Divulgação

Um tiranossauro relativamente pequeno reinou no Ártico há 70 milhões de anos, informou um estudo publicado nesta quarta-feira sobre uma nova espécie identificada a partir de ossos do crânio e da mandíbula fossilizados descobertos no Alasca.

O dinossauro, batizado de Nanuqsaurus hoglundi, teria o tamanho de um homem moderno e era duas vezes menor do que seu primo próximo, o terrível Tyrannossaurus rex, explicaram os paleontólogos que informaram a descoberta à revista norte-americana PLOS One.

O crânio da feroz criatura, descrita como um "lagarto urso polar", media 64 centímetros de comprimento, frente aos mais de 1,5 metro do T. Rex, segundo análise feita por Anthony Fiorillo e Ronald Tykoski, do Museu Perot de Natureza e Ciência de Dallas, Texas.

O tiranossauro se deslocava às escuras durante metade do ano, em terras castigadas por chuvas, frentes frias e nevascas, e provavelmente tinha um forte senso de olfato, além de uma visão aguçada para caçar presas durante a noite.

O animal tinha o tamanho similar a outro dinossauro carnívoro que vivia no Alasca, o Troodon, disse Fiorillo.

– Este tiranossauro pigmeu é realmente interessante, já que nos informa sobre o meio ambiente que existia antigamente no Ártico – explicou.

– Mas o que é ainda mais curioso nesta descoberta é que o Nanuqsaurus hoglundi nos revela a riqueza biológica do mundo polar deste momento, quando a Terra era muito mais quente do que hoje – acrescentou.

A ossada foi encontrada numa falésia sobre o rio Colville, no norte do Alasca. Restos mortais de T. Rex muito maiores já haviam sido encontrados um pouco mais ao sul, onde o clima era supostamente mais quente.

Descoberta "muito emocionante

A área dentro do Círculo Polar Ártico onde foram encontrados os ossos do novo dinossauro não era tão fria há 70 milhões de anos, e provavelmente teve um clima similar ao da cidade de Seattle, no estado norte-americano de Washington (noroeste), ou Calgary, em Alberta (sudoeste do Canadá).

Os fragmentos do crânio do tiranossauro foram encontrados num buraco junto a um dinossauro com chifres - o qual, provavelmente, teria matado e comido - de acordo com as marcas do tamanho de dentes nos ossos do herbívoro, disseram os pesquisadores.

Ao submeter os dados da descoberta para publicação, os investigadores tinham quatro pedaços de ossos, alguns cruciais por mostrarem o crescimento da cabeça de um Nanuqsaurus hoglundi adulto, permitindo aos cientistas estimarem o tamanho total do crânio.

Desde então, mais fragmentos foram encontrados, disse Fiorillo.

– Temos uma imagem bastante completa do crânio agora. O bom é que o sedimento que o cobriu conservou a forma o cérebro e podemos ver que este animal também tinha um olfato aguçado – afirmou.

O paleontólogo Paul Sereno, da Universidade de Chicago, que não participou da pesquisa, considerou a descoberta um feito "muito emocionante".

Quando os primeiros fósseis de dinossauro foram descobertos no Ártico há três décadas, houve muita confusão ao pensar tratar-se de ossos de baleia.

Inicialmente, alguns especialistas acreditavam que os dinossauros poderiam ter migrado. Mas descobertas recentes desmentiram esta hipótese.

– Não podíamos acreditar que poderiam viver ali, na escuridão – disse Sereno. – De alguma forma devem ter conseguido fazer isso – ponderou.

O nome da nova espécie, Nanuqsaurus hoglundi, faz referência ao nome inuíte (esquimós das regiões árticas do Alasca, Canadá e Groenlândia) para o urso polar, Nanook, e ao magnata do gás natural Forrest Hoglund, que ajudou a financiar o museu do Texas onde ossadas de dinossauros do Ártico são exibidas.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.