Criador e criaturas

Inventor do nanosatélite vai avaliar projetos brasileiros antes do lançamento

Trabalhos que entram em órbita neste ano serão revisados pelo americano Jordi Puig-Suari

24/03/2014 | 17h38
Inventor do nanosatélite vai avaliar projetos brasileiros antes do lançamento AEB/Divulgação
Projeto Serpens, da Agência Espacial Brasileira, terá custo de R$ 3 milhões Foto: AEB / Divulgação


Um dos inventores dos nanosatélites — satélites de pequeno porte — está no Brasil para avaliar cinco projetos em desenvolvimento e que devem ser mandados ao espaço neste ano. Jordi Puig-Suari, professor de engenharia aeroespacial da Universidade Politécnica da Califórnia, vai fazer a revisão crítica dos trabalhos.

Dos nanosatélites que estão sendo desenvolvidos por aqui, o primeiro a ser colocado na órbita este ano será o NanosatBR1, em 1° de julho, por um foguete russo. Ele testará o comportamento de placas e circuitos em ambiente espacial e fará experimentos científicos de medição da ionosfera para auxiliar estudos sobre meteorologia e telecomunicações.

Os demais satélites serão colocados em órbita em setembro, por meio de uma parceria com o Japão, a partir da Estação Espacial Internacional (ISS). Todos estão em fase de produção em diversas universidades e institutos brasileiros — como a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), de Santa Maria (UFSM), a UnB, a Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Com peso entre 1 e 5 quilos, os nanosatélites têm diversos tipos de aplicações. Em geral, são usados para sensoriamento remoto da superfície terrestre, por meio de fotografias de alta resolução, para a coleta de dados meteorológicos e hidrográficos, na medição do desmatamento, das irradiações atmosféricas e outros tipos de experiências científicas.

Ao desembarcar no país, Puig-Suari falou das vantagens da tecnologia em relação aos satélites normais.

— Antes de tudo, eles têm menor custo e, pela menor dimensão, é mais barato, fácil e rápido colocá-los em órbita. São mais fáceis de serem operados e o mais importante: têm uma engenharia de sistema mais integrada — comentou.

Apesar de pequenos, os nanosatélites têm todas as partes dos grandes satélites: antenas, comunicação por rádio, sistema de controle de energia, painel solar, estrutura (uma espécie de esqueleto do satélite), computador de bordo, sistemas de posicionamento e de propulsão. A diferença é que todas elas estão em apenas um compartimento.

Geralmente, os nanosatélites são mais baratos também por não usarem equipamentos específicos para satélites, e sim aqueles que são encontrados com mais facilidade no mercado. Eles não são feitos para durar muito mais tempo do que os satélites de maior porte, mas têm melhor custo-benefício.

Um dos nanosatélites brasileiros é o Projeto Serpens, que está sendo construído na AEB e custará R$ 3 milhões — valor que inclui os gastos com o satélite, quatro estações em terra (postos de comando), 20 sensores que enviarão dados e se comunicarão com o satélite a partir de diversos pontos espalhados pelo país, além da instalação de um laboratório na AEB.

— Esses satélites tornam o acesso ao espaço mais simples. Com isso, o projeto avança mais rapidamente e, no caso do Serpens [Sistema Espacial para Realização de Pesquisas em Experimentos com Nanossatélites], isso ajudará na preparação de estudantes — acrescentou o pesquisador.

É esse estímulo o que mais empolga o coordenador de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Agência Espacial Brasileira (AEB), Jean Robert Batana.

— O Projeto Serpens vai desmistificar a cultura espacial das universidades que têm o curso de engenharia aeroespacial. Os resultados e conhecimentos estimularão mais universidades e escolas, fazendo com que o Brasil entre em um novo patamar da atividade espacial — diz Batana.

A velocidade com a qual as tecnologias são desenvolvidas é outro ponto que favorece os nanosatélites, podendo, inclusive, diminuir as diferenças com outros países já que, com elas, novos pontos de partida surgem a todo momento.

— Vislumbramos, em um futuro próximo, vários jovens criando pequenas empresas para fornecer componentes e estruturas ao mercado. E vamos recuperar um pouco da inteligência perdida em Alcântara — acrescentou Batana.

Segundo ele, esse projeto envolve mais de 100 estudantes de diversas universidades federais brasileiras.

Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.