Nota

Comandante-geral da Brigada Militar faz desabafo após morte de soldado

Luiz Carlos Gomes da Silva Filho, 29 anos, foi morto a tiros durante abordagem a dois suspeitos 

04/07/2016 - 23h12min | Atualizada em 05/07/2016 - 00h07min
Comandante-geral da Brigada Militar faz desabafo após morte de soldado Brigada Militar / Divulgação/Divulgação
Foto: Brigada Militar / Divulgação / Divulgação  

Em tom de desabafo, o comandante-geral da Brigada Militar, coronel Alfeu Freitas Moreira, comentou por meio de nota a postura adotada pelo soldado Luiz Carlos Gomes da Silva Filho, 29 anos, durante abordagem dele a dois suspeitos. Na ação, o policial acabou baleado na cabeça e morto na Rua Santa Flora, bairro Cavalhada, zona sul da Capital. Um morador gravou os momentos que antecederam a morte do brigadiano. 

Leia mais
PM é morto em abordagem a roubo de carro na Capital
Todas as últimas notícias de ZH

"As pessoas têm me perguntado se o PM não devia ter adotado uma postura mais agressiva, mais intimidatória na tarde de hoje (segunda-feira). Eu acredito que sim. Mas sei que ele deixou de adotar essa postura em razão de todos aqueles que, de maneira imediatista, sem compreensão de todo o risco que se corre e de toda a complexidade que é um cenário de uma abordagem, de uma ação policial, julgam e condenam um Policial Militar, uma Instituição", diz parte da nota.

Em outro trecho, coronel Alfeu lamentou a morte do policial:

"Perdeu, mais uma vez, uma família. Perdeu, mais uma vez, a Instituição. Perdemos todos nós, pessoas do bem!! Ganhou a IMPUNIDADE, causa maior do crime alimentado pelas drogas". 

Leia a nota da Brigada Militar na íntegra 

As pessoas têm me perguntado se o PM não devia ter adotado uma postura mais agressiva, mais intimidatória na tarde de hoje. Eu acredito que sim. Mas sei que ele deixou de adotar essa postura em razão de todos aqueles que, de maneira imediatista, sem compreensão de todo o risco que se corre e de toda a complexidade que é um cenário de uma abordagem, de uma ação policial, julgam e condenam um Policial Militar, uma Instituição. A Brigadiana e o Brigadiano, esses profissionais que diariamente colocam suas vidas em risco pela de terceiros, e o fazem com uma tremenda responsabilidade e coragem, têm que analisar e decidir em segundos quando estão em um cenário complexo, contrário. O PM se preocupa com a vida e a integridade de terceiros. O PM se preocupa que seu ato se revista de toda a legalidade. O PM se preocupa em aguardar o momento certo para agir – se o momento certo chegar e ele tiver tempo de agir. O PM se preocupa em não ser julgado e condenado por um punhado de ¿especialistas¿ e de formadores de opinião. O PM se preocupa que, se errar, sim, ele será condenado. O PM se preocupa. Neste cenário, ele perdeu. Perdeu, mais uma vez, uma família. Perdeu, mais uma vez, a Instituição. Perdemos todos nós, pessoas do bem!! Ganhou a IMPUNIDADE, causa maior do crime alimentado pelas drogas. Certamente aqueles meliantes têm imensa ficha criminal. Ganhou também a HIPOCRISIA ao NÃO acreditarmos, muitos de nós, que um Policial Militar é muito mais bravo e valoroso do que qualquer herói. E muito mais digno e honrado do que qualquer um dos que o costumam, de pronto, condenar. Com estes, o PM se preocupa também. Talvez tenha sido este seu maior erro.

Coronel Alfeu Freitas Moreira
Comandante-geral da Brigada Militar

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.