Novas medidas

Pacotão da segurança de Sartori não representa solução imediata para a criminalidade, avaliam especialistas

Governo anunciou nesta quinta-feira a convocação de novos policiais, a retomada das horas extras e uma reestruturação do sistema penitenciário

Por: Vanessa Kannenberg
01/07/2016 - 02h00min | Atualizada em 01/07/2016 - 02h00min
Pacotão da segurança de Sartori não representa solução imediata para a criminalidade, avaliam especialistas Daniela Barcellos/Palácio Piratini/
Foto: Daniela Barcellos/Palácio Piratini  

Na avaliação de especialistas em segurança, o anúncio do Plano Estadual de Segurança Pública pelo governo Sartori, nesta quinta-feira, é importante — mas tem maior caráter político do que efetivo em termos de redução da criminalidade. 

Abaixo, veja o que Sartori prometeu e para quando:

Para o ex-comandante da Brigada Militar (BM) e atual juiz do Tribunal Militar, coronel Paulo Mendes, as ações mostram preocupação com o tema, o que reduz a sensação de insegurança da população.

— As pessoas querem ver policiais nas ruas. Essas contratações não resolvem, mas dão um fôlego. E serão percebidas lá no final do ano, quando começar a Operação Golfinho e as cidades não ficarem esvaziadas com a debandada de PMs para o Litoral — afirma Mendes.

Ex-secretário nacional de Segurança Pública, José Vicente da Silva Filho destaca o tempo que as medidas levarão para provocar efeito.

— A retomada é sempre mais lenta que a perda. Estimo que levará mais de dois anos para haver queda na criminalidade. Ou seja, Sartori provavelmente não verá os resultados — projeta o consultor, que também é professor da pós-graduação profissional da Polícia Militar de São Paulo.

Embora considere que é urgente a reposição de efetivo, Silva alerta para o perigo de apressar o treinamento dos novos policiais. Segundo ele, o tempo mínimo que um concursado leva para estar apto a patrulhar ruas é de seis meses — mas a mais recente turma de brigadianos deve ser formada em quatro.

— Menos de seis meses é suicídio institucional, porque esses dois meses podem fazer muita diferença lá na frente — aponta Silva.

Para o sociólogo Rodrigo Ghiringhelli de Azevedo, conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a reposição de efetivo e abertura de vagas nas cadeias são "absolutamente necessárias", mas são o "mínimo":

— Estamos fazendo mais do mesmo, sem capacidade de inovação — aponta Azevedo.

Conforme Azevedo, o Estado deveria levar em conta ações que deram respostas nas capitais mais violentas da América Latina, com aposta na prevenção e em mecanismos de integração entre diferentes áreas de governo, não apenas as de segurança, mas assistência social, prefeitura, associações de moradores, iniciativas de emprego e renda, opções para tirar jovens do meio ilegal:

— Agora está se tapando buraco, quando deveríamos estar inovando.

Sindicatos da área esperavam mais

Depois de diversos protestos no último um ano e meio, as associações que representam policiais militares e civis comemoram a nomeação de concursados, mas lamentam a demora.

— Deveriam ter sido chamados de imediato. Agora, esse número não vai nem repor a quantidade de colegas que se aposentaram na Brigada Militar — aponta Leonel Lucas, presidente da Abamf, associação dos servidores de nível médio da corporação.

Isaac Lopes Ortiz, presidente do Ugeirm-Sindicato, que representa escrivães, inspetores e investigadores da Polícia Civil, o chamamento de uma só vez, no lugar de em três etapas como anunciado, seria menos dispendiosa:

— Treinaria todos de uma vez só e começaria a colocar os alunos em plantões, serviços administrativos. Outros agentes poderiam estar na rua.

Além de torcer para que a situação melhore, o sindicalista afirma que "esperava mais" do pacotão da segurança.

— Pensávamos que iriam ser anunciados programas sociais, medidas para tirar guris do crime. Dessa forma, vamos continuar encarcerando gente e jamais vai ter vaga para todos.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.