Em busca de solução

Autoridades vão definir segurança no aeroporto Salgado Filho

Assassinato de jovem à luz do dia no setor de embarque cria polêmica sobre qual órgão tem responsabilidade de patrulhar local

Por: Vanessa Kannenberg
21/09/2016 - 21h22min | Atualizada em 21/09/2016 - 21h24min
Autoridades vão definir segurança no aeroporto Salgado Filho Carlos Macedo/Agencia RBS
Terminal novo, na Capital, tem área destinada à Polícia Civil. Já parte em que brigadianos poderiam atuar não existe Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

É de responsabilidade do governo do Estado a segurança nas áreas públicas dos aeroportos nacionais – ou seja, da Brigada Militar (BM) no caso do saguão do aeroporto Salgado Filho, onde, na segunda-feira, o jovem Marlon Roldão Soares foi assassinado a tiros. No entanto, o monitoramento vinha sendo feito apenas pelos seguranças terceirizados da Infraero, que não portam arma e não têm poder de polícia. 

Leia mais
Jovem executado no aeroporto pode ter sido morto por engano
Câmeras mostram execução no aeroporto Salgado Filho; assista ao vídeo
Infraero e BM divergem sobre responsabilidade de segurança no aeroporto

No Rio de Janeiro, a situação é parecida. Segundo a Secretaria da Segurança daquele Estado, os policiais militares (PMs) atuam nos dois principais aeroportos, Galeão e Santos Dummont, somente caso sejam acionados. Já em São Paulo, o governo garante que os PMs fazem patrulhamento constante em Congonhas e Guarulhos.

Mesmo que a legislação aponte que o trabalho é de responsabilidade do Estado, no Rio Grande do Sul, a BM se recusava a aceitar, alegando um ¿equívoco¿ de interpretação na lei. Nesta quarta-feira, porém, a Secretaria da Segurança Pública do RS disse que irá marcar, ainda sem data definida, reunião com representantes da Infraero "para alinhar as ações de Segurança Pública no Aeroporto Salgado Filho e seu entorno".

A Infraero afirmou que, imediatamente após o crime, realizou reuniões com os órgãos de segurança que atuam no terminal de passageiros, como Polícia Federal (PF), Polícia Civil e representantes da BM e da EPTC para tratar dos cuidados no local. Além disso, a empresa disse que "está agendando" nova reunião da Comissão de Segurança Aeroportuária (CSA), entidade permanente que discute questões envolvendo o Salgado Filho, tanto estruturais como de segurança, para tratar do policiamento. No entanto, a assessoria não informou data.

A PF enviou comunicado semelhante, dizendo que vai convocar reunião extraordinária da comissão "para discutir e propor medidas visando à melhoria das condições naquele espaço, respeitando-se as atribuições das forças envolvidas".

— Não queremos mais discutir de quem é a jurisdição, precisamos avançar no sentido do diálogo, da solução — afirmou o delegado regional da PF, Farnei Franco Siqueira. 

Outros crimes violentos na região

Ainda neste ano, no final de julho, o Salgado Filho foi palco de briga entre três motoristas de Uber e três taxistas. No início do mês anterior, Mineia Sant Anna Machado, 39 anos, funcionária terceirizada da Infraero, foi sequestrada na saída do aeroporto. Três dias depois, o corpo foi localizado em um matagal perto da BR-386, em Montenegro, após um homem de 32 anos e um adolescente de 16 anos confessarem o crime. Eles foram detidos em Lajeado, no Vale do Taquari.

ATRIBUIÇÃO DE CADA ÓRGÃO

O artigo 144 da Constituição e o decreto 7.168 estabelecem que o policiamento e a preservação da ordem nas áreas públicas dos aeroportos (saguão, check in, praça de alimentação e áreas que não necessitam de bilhete de embarque) são de responsabilidade dos órgãos de Segurança Pública dos Estados – polícias Civil e Militar.

No Salgado Filho, a Polícia Civil mantém a Delegacia de Polícia para o Turista (DPTur). A Brigada Militar (BM) não tem posto e nem mantém policiais no aeroporto. A BM divulgou nota na segunda-feira, após a morte no saguão, no qual afirmava que a principal responsabilidade pela segurança nos aeroportos cabia à Polícia Federal (PF), e que funções de polícia judiciária e ostensiva e preservação da ordem pública poderiam ser executadas pelos órgãos estaduais por meio de convênio, mas não existe parceria firmada entre Estado, BM e Infraero.

A posição da BM contraria a lei, que atribui a função de policiamento à PF apenas em áreas restritas (salas de embarque e desembarque, pista) e diz que a segurança nas áreas públicas cabe aos órgãos estaduais.

A Infraero tem contrato com empresa terceirizada de segurança para realizar a vigilância operacional e patrimonial. Mas esses homens não portam armas. Caso haja crime, devem acionar autoridades policiais.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.