Polícia

Comitê de Nelson Marchezan Júnior é alvo de disparos no bairro Azenha

Segundo a Brigada Militar, o local foi alvejado por mais de 10 tiros na madrugada desta segunda-feira

Por: Zero Hora
17/10/2016 - 03h08min | Atualizada em 17/10/2016 - 21h41min

O comitê de campanha candidato à prefeitura de Porto Alegre Nelson Marchezan Júnior (PSDB), localizada no número 1.555 da Avenida Ipiranga, na esquina com a Avenida Azenha, no bairro Azenha, foi alvo de disparos no início da madrugada de segunda-feira.

Um único vigilante, Fábio Sartori Pinto, 41 anos, estava no local no primeiro ataque. Segundo ele, dois disparos foram efetuados, mas não chegaram a atravessar ou quebrar janelas. Na segunda vez, outras pessoas da equipe foram ao comitê, e cerca de 10 tiros quebraram parte dos vidros. Funcionários terceirizados da segurança perseguiram o Focus prata, com placas de Ijuí, mas ninguém foi detido. A suspeita é de que o carro seja clonado.

— Procurei me proteger, mas não tinha muito como, porque é tudo vidro. Então me atirei no chão até o fim da situação. Aguardei acabar para ver o que aconteceu e chamar ajuda — lembra o vigia, que estava com mais três pessoas quando o segundo ataque aconteceu.

Leia mais:
"Me atirei no chão, porque é tudo vidro", conta vigia do comitê de Marchezan
Após tiroteio, BM prende suspeito de matar jovem dentro do aeroporto
Cezar Schirmer: "Vamos pedir renovação e ampliação da Força Nacional no Rio Grande do Sul"


Marchezan, que havia sido deixado em casa pouco antes dos primeiros disparos, disse que ficou "chocado" ao ser comunicado do ataque. Ele afirma que BM, Polícia Civil e Polícia Federal, cuja sede fica a menos de uma quadra do comitê, foram avisados.

— Não foram ataques ao comitê. A gente imagina que foi algo preparado, porque ocorreram dois disparos à meia-noite e quando as pessoas voltaram, foram disparos direcionados contra as pessoas. São 60 metros, se não mais, de vidro, e os tiros foram na direção dessas pessoas que estavam ali paradas. Foi uma tentativa de homicídio — afirmou o candidato.

O tucano disse, ainda, que espera que o caso seja desvendado o quanto antes e, os criminosos, presos. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil, que ainda desconhece a autoria e a motivação dos ataques.

Na noite desta segunda-feira, o prefeito José Fortunati informou a Zero Hora que uma rixa entre um policial civil que trabalharia na equipe de segurança de Marchezan e criminosos seria o motivo dos tiros contra o comitê.

— O irmão dessa servidora é policial e, um tempo atrás, participou de uma operação em uma vila na qual houve confronto e apreensão de armar. Esse policial estava no comitê do Marchezan na noite. Quem foi lá, queria matar esse segurança — afirmou o prefeito.

Segundo o delegado César Carrion, titular da 2ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, responsável pelo caso, essa hipótese não estava sendo investigada pela polícia, que, até o momento, trata o caso como vandalismo ou tentativa de homicídio. O titular da 2ª DP disse que vai avaliar a suposição do prefeito.

Carrion disse que ouviu duas testemunhas nesta segunda-feira. Um dos coordenadores da segurança de Marchezan e o vigilante que estava no local durante os primeiros disparos. Segundo o delegado, nenhum dos dois é policial. Carrion vai realizar outras oitivas na terça-feira.

*ZERO HORA


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.