A (in)segurança que dá lucros

Segurança privada fatura bilhões e emprega mais que a polícia

Na contramão da economia, setores ligados à segurança privada passam longe da crise, enquanto poder público não consegue frear a violência

15/10/2016 - 02h01min | Atualizada em 15/10/2016 - 02h01min
Segurança privada fatura bilhões e emprega mais que a polícia Bruno Alencastro/Agencia RBS
Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS  

A escalada da criminalidade e a incapacidade do poder público de conter o avanço da violência cunham ao mesmo tempo as duas faces da moeda da economia. De um lado, oneram empresas e consumidores, que passam a pagar mais caro por produtos e serviços devido ao custo crescente da busca por proteção. De outro, são combustível para o avanço da segurança privada, que ocupa o vácuo deixado pelo aparato estatal e cresce a altas taxas no país, a despeito da recessão.

Enquanto o PIB brasileiro derreteu 3,8% ano passado e deve ter nova queda acima de 3% em 2016, as companhias que oferecem serviço de vigilância e monitoramento parecem não ter sentido a crise. Dados da Federação Nacional de Empresas de Segurança e Transporte de Valores (Fenavist) mostram que o faturamento do setor, em 2015, chegou a R$ 50 bilhões, avanço nominal de 8,6% sobre 2014. Em 10 anos, o crescimento chega a 230%.

Com a tecnologia como aliada, a Associação Brasileira de Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese) também exibe números que passam longe da crise. O segmento avançou 6% sobre 2014 e, agora, espera aumentar as vendas entre 4% e 5%. Muito mais pujante foi o desempenho da indústria nacional de alarmes. Cresceu 15% ano passado, performance que deve repetir em 2016. Entre as razões listadas para o setor estar na contramão, cita a Abese, o principais são "os menores investimentos em segurança feitos pelos governos federal, estaduais e municipais, o que estimula os particulares".

Clique na imagem abaixo para acessar as outras matérias do especial

— Há mais tecnologias aplicadas para a prevenção e a população está cada vez mais preocupada com isso — observa Selma Migliori, presidente da Abese, que cita outros fatores para o bom momento dos fabricantes brasileiros ano passado, como o câmbio, que inibiu as importações, e a transformação do mercado imobiliário, com os condomínios cada vez mais mais preocupados com segurança.

Mas, ao mesmo tempo que a crise na segurança pública vira oportunidade de negócios, gera gastos extras que acabam repassados para os preços dos produtos e serviços e passam a fazer parte do chamado custo Brasil. O Sindilojas da Capital calcula que, a partir dos gastos com prevenção em todos os elos da cadeia, começando pela indústria, passando pelo transporte e chegando ao comércio, o desembolso para a proteção da criminalidade representa 10% do preço da mercadoria.

— Isso tudo é repassado e o consumidor paga a conta — resume o presidente do Sindilojas, Paulo Kruse.

A procura da população por ao menos sentir-se mais segura também forja novos comportamentos que impactam na economia. As lojas de rua perdem clientela para os shopping centers e, na indústria da construção civil, a classe média cada vez se enclausura mais em condomínios que primam pelo investimento em vigilância.

Mais trabalhadores na segurança do que na polícia

O presidente do Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Estado (Sinduscon-RS), Ricardo Sessegolo, não tem dúvida. A questão da segurança moldou os projetos dos novos condomínios, desde a concepção arquitetônica. As entradas de garagem devem ser próximas à portaria. Visitantes e entregadores têm de ser submetidos a câmaras de espera. Dobrou o número de câmeras, espalhadas por acessos, garagem, escadarias, hall. Nos prédios mais sofisticados, elevadores têm códigos para que apenas os moradores ou pessoas autorizadas possam ter acesso ao andar.

— Isso tudo é usado como marketing do empreendimento. Por que os condomínios horizontais do litoral tiveram tanto sucesso? A razão número 1 é a segurança — diz Sessegolo.

Leia as últimas notícias de Segurança Já!

Com o setor público em crise e a iniciativa privada ocupando seu espaço, o número de vigias de empresas de segurança é maior do que o contingente oficial da área de segurança. O número mais recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), publicado ano passado na pesquisa Perfil dos Estados e dos Municípios Brasileiros indica que, em todo o país, existiam 542 mil policiais civis e militares.

Com base em estatísticas do Ministério da Previdência, a Fenavist indica que, nas companhias de segurança privada, são 655 mil trabalhadores _ sem contar quem trabalha na informalidade. A quantidade de empresas de segurança privada também disparou. Dez anos atrás, eram 1,6 mil. Hoje, são 2,5 mil, conforme a Fenavist, a partir de dados da Polícia Federal (PF), que fiscaliza o setor. Mas o número pode ser muito maior. A entidade sustenta que, para cada empresa autorizada pela PF, exista outra clandestina.

Leia mais:
Escola investe em segurança, mas custo pesa no bolso dos pais
Sem segurança de shoppings, comércio de rua amarga prejuízo com o crime
Gastos com segurança têm impacto na competitividade da indústria
Com poder público inerte, mercado da segurança deve seguir em expansão
Risco de roubos responde por quase metade do custo do seguro de carros
Morte de jovens pela violência tem impacto na economia em longo prazo


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.