Paralisação da PM

Após volta das atividades, centro de Vitória registra grandes filas

Crise na segurança pública do Espírito Santo trouxe prejuízos que podem passar dos R$ 300 milhões aos lojistas, sem incluir depredações e assaltos

Por: Estadão Conteúdo e Agência Brasil
13/02/2017 - 15h22min | Atualizada em 13/02/2017 - 15h22min
Após volta das atividades, centro de Vitória registra grandes filas Tânia Rêgo/Agência Brasil
Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil  

Com a presença de poucos policiais militares, em pontos isolados da região central, o comércio de Vitória funciona normalmente nesta segunda-feira, 10° dia de paralisação da Polícia Militar no Espírito Santo. Bancos e casas lotéricas registram grandes filas. A central de distribuição de remédios do Sistema Único de Saúde (SUS), que funciona com hora marcada, também conta com espera no lado de fora. O local ficou fechado durante a semana passada.

A aposentada Aurea Cunha, de 64 anos, protegia-se do sol forte embaixo de uma sombrinha enquanto esperava na fila para entrar na central de remédios, que estava lotada.

Leia mais
Temer anuncia projeto de lei para regulamentar direito de greve
Ordem e segurança "estão normalizadas" no Espírito Santo, diz ministro da Defesa
Planalto quer transformar repressão ao movimento da PM capixaba em exemplo nacional

— Estou na fila há meia hora, mas não me queixo. Pelo menos reabriu — afirmou ela, que todos os meses vai buscar medicamento para sua mãe, Margarida Cunha, de 89, que sofre de Alzheimer.

— Nos primeiros dias não teve problema porque o pessoal da casa administrou a medicação de acordo com o que tinha lá, mas nos últimos três dias ela ficou sem remédio — contou Aurea.

— Já estou neste sol há uma hora. Mas tenho que enfrentar essa fila. Preciso do remédio — afirmou o aposentado Atílio Sepulpo, de 83 anos.

Prejuízo do comércio pode ultrapassar R$ 300 milhões

A crise na segurança pública no Espírito Santo trouxe prejuízos que podem passar dos R$ 300 milhões aos lojistas nesses dias de portas fechadas. A estimativa é da Federação do Comércio e Bens, Serviços e Turismo do Espírito Santo (Fecomércio-ES).

O valor não inclui as depredações e os assaltos: pelo menos 300 lojas foram saqueadas e depredadas e o prejuízo calculado nesses casos gira em torno de R$ 30 milhões. Só na capital capixaba, 200 lojas sofreram ataques desde o último dia 4. As lojas mais visadas são as que vendem eletrodomésticos, joias e roupas.

Com a paralisação da Polícia Militar e o clima de insegurança nas ruas, estima-se prejuízo no comércio do estado em torno de R$ 45 milhões por dia com as lojas fechadas. O levantamento, realizado pela Fecomércio, considera o PIB do comércio do Espírito Santo diário como o valor máximo que poderia ser perdido em um dia parado e a quantidade de dias úteis perdidos.

Além do comércio, outros setores tiveram perdas, como serviços e turismo. Segundo a Fecomércio, no caso do turismo, houve cancelamento de reservas de hotéis e de eventos importantes, como o da 43ª Feira Internacional do Mármore e Granito que tinha expectativa de receber 25 mil visitantes.

Fundo de ajuda

A Fecomércio-ES irá disponibilizar um fundo de R$ 1 milhão aos micro e pequenos empresários, que necessitarem fazer reparos emergenciais nos estabelecimentos que sofreram depredação durante a paralisação da Polícia Militar, sejam eles filiados ou não aos sindicatos.

— Estamos conversando hoje com nosso departamento jurídico para saber como vamos proceder. Os casos serão analisados individualmente e não serão cobrados juros e correções no pagamento do crédito. Os empresários terão até 90 dias para quitar o empréstimo. A princípio, estamos fazendo contatos com o Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal para alinhavar procedimentos para esses adiantamentos — disse o presidente da instituição, José Lino Sepulcri.

Comércio popular

No principal centro de comércio popular do município da Serra, na região metropolitana de Vitória, as lojas reabriram as portas desde sábado em horário reduzido. Com o retorno do transporte público, o movimento voltou a ser intenso nesta segunda-feira na região.

Gerente de uma loja de roupas femininas e infantis na Avenida Central, no bairro de Laranjeiras, Lindobergue Chaves de Queiróz, de 25 anos, conta que o estabelecimento não abriu nenhum dia na semana passada por causa da insegurança com a falta de policiamento. 

— Hoje estamos nos sentindo mais seguros. Já estamos vendo policiamento na rua e o Exército está aí também — disse. — O prejuízo foi grande porque pegou a melhor época para o comércio que é início de mês.

Policiamento

A Secretaria de Segurança Pública do Espírito Santo informou há pouco que 1.192 policiais militares se apresentaram para trabalhar na manhã desta segunda-feira. A corporação conta com dez mil homens, mas, em dias normais, o policiamento é feito por um efetivo de dois mil PMs.

O movimento das mulheres em frente aos batalhões continua pelo décimo dia. Elas impedem a saída de viaturas e policiais em protesto por melhores salários e condições de trabalho para os PMs.

Leia as últimas notícias de Polícia

*Estadão Conteúdo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.