Ataque em Ciudad del Este

Como foi o megarroubo em transportadora de valores no Paraguai

Autoria do crime seria da facção Primeiro Comando da Capital, o PCC

Por: Estadão Conteúdo
24/04/2017 - 22h01min | Atualizada em 24/04/2017 - 22h29min
Como foi o megarroubo em transportadora de valores no Paraguai Especial/Última Hora
Foto: Especial / Última Hora  

O assalto à base da Prosegur em Ciudad Del Este, na madrugada desta segunda-feira, pode indicar que o Primeiro Comando da Capital (PCC) assumiu o poder na linha de fronteira entre Brasil e Paraguai. O vasto território que se inicia no marco das Três Fronteiras, em Foz do Iguaçu, e termina próximo da cidade paraguaia de Bahia Blanca, na tríplice fronteira com a Bolívia, em uma extensão de 1.365 quilômetros, é a porta de entrada para armas, drogas e contrabando.

Em algum ponto, próximo ao lago da Hidrelétrica de Itaipu, a fronteira foi cruzada de barco pelo bando que assaltou em Ciudad del Este e fugiu para o Brasil. O assassinato de Jorge Rafaat Toumani, em uma emboscada em Pedro Juan Caballero, em junho de 2016, abriu o caminho para a organização criminosa assumir o controle das operações na fronteira. Rafaat agia por conta própria e estabelecia o preço da droga — cocaína e maconha — a ser fornecida para as duas principais facções brasileiras ligadas ao tráfico: o PCC e o Comando Vermelho (CV). Isso desagradava os traficantes.

Leia mais:
Três suspeitos de assalto no Paraguai são mortos em confronto com a polícia
Ataque no Paraguai é semelhante a série de assaltos cometidos no Brasil desde 2016; relembre
Assaltantes invadem transportadora e roubam US$ 40 milhões na fronteira do Paraguai com o Brasil

Conforme a Secretaria Nacional Anti-Drogas (Senad) do Paraguai, ao bancar a execução do "rei da fronteira", a facção paulista se credenciou para assumir as principais posições ao longo da linha internacional. As bases do PCC, antes concentradas em Ciudad del Este e Foz do Iguaçu, foram estendidas a Salto del Guaíra, na fronteira com Guaíra, no Paraná, e Pedro Juan Caballero, vizinha de Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul.

Depois da morte de Rafaat, as polícias brasileiras e paraguaia registraram ao menos 38 execuções ao longo da fronteira, em um processo de eliminação dos supostos colaboradores do regime anterior.

— Com a estrutura montada, o passo seguinte é mostrar força e marcar território, além de reforçar o caixa. Podem acontecer novas ataques no Paraguai ou na Bolívia — alertou Edgar Almada, diretor Antidrogas da Senad.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.