Investigação

Polícia descarta que tamanho do muro tenha facilitado morte de argentino no Salgado Filho

Apesar de aguardar os pareceres técnicos, o delegado Cassiano Cabral está convencido de que o episódio se trata de um suicídio

18/04/2017 - 10h32min | Atualizada em 18/04/2017 - 10h33min

A Polícia Civil descarta que a altura de um dos muros do Aeroporto Salgado Filho tenha tido influência na queda de um casal argentino, no último dia 3, em Porto Alegre. O incidente resultou na morte do homem, de 33 anos, e em ferimentos na esposa dele, uma argentina de 33 anos. Para ser concluído, o inquérito policial depende apenas da entrega de laudos de engenharia e de necropsia — que inclui exames toxicológicos. As informações são da Rádio Gaúcha.

Apesar de aguardar os pareceres técnicos, o delegado Cassiano Cabral está convencido que o episódio se trata de um suicídio. A mulher foi ouvida no hospital.

— Ela ainda está muito confusa, relata que o casal vinha sendo perseguido por pessoas que não sabe dizer. Em algum momento, relata que alguém teria borrifado um spray no rosto do marido — explica o delegado.

Leia mais
Homem morre e mulher fica ferida em queda no aeroporto Salgado Filho

No dia do incidente, testemunhas questionaram a respeito da altura do muro da rampa do segundo andar, na área de embarque.

— Isso não teve influência. Ele, de forma intencional, posiciona as pernas, sobe no muro e pula de braços abertos — resume.

A mulher argentina segue internada desde então no Hospital Cristo Redentor, onde passará, nesta terça-feira, por nova cirurgia. A mãe e um irmão, além do consulado argentino, a acompanham em Porto Alegre.

Leia as últimas notícias de Polícia

*Rádio Gaúcha