Política

Assembleia Legislativa aprova lei que congela orçamento do Estado para 2017

Lei de Diretrizes Orçamentárias foi aprovada por 25 votos contra 20

Por: Débora Cademartori
28/06/2016 - 19h17min | Atualizada em 28/06/2016 - 20h24min
Assembleia Legislativa aprova lei que congela orçamento do Estado para 2017 Adriana Franciosi/Agencia RBS
Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS  

Com o custeio congelado, a Lei de Diretrizes Orçamentárias 2017 (LDO) foi aprovada por 25 votos a 20 nesta terça-feira pelos deputados na Assembleia Legislativa. Além de não reajustar o limite de despesas, o governo do Estado previu para o próximo ano aumento de 3% nos gastos com pessoal em todos os poderes, o que representa apenas o crescimento vegetativo da folha de pagamento. A partir de agora, a equipe técnica da Secretaria do Planejamento irá elaborar a Lei Orçamentária Anual (LOA), que deve ser encaminhada até o dia 15 de setembro ao Legislativo.

Conforme dados divulgados pelo governo, a previsão de receitas primárias para o ano que vem, excluindo receitas financeiras e intraorçamentárias, está estimada em R$ 52 bilhões. Já os reajustes previstos na LDO têm impacto de R$ 759 milhões, representando cerca de 2% da receita do Tesouro.

Leia mais:
Comissão autoriza e cassação de Jardel será decidida no plenário da Assembleia
Pensão para ex-deputados custou aos cofres do RS R$ 91,7 milhões em 10 anos
Rio Grande do Sul retoma terceira posição no ranking nacional de exportações

O poder Judiciário é o principal crítico do congelamento. Desde o envio do projeto, em maio, o presidente do Tribunal de Justiça (TJ), Luiz Felipe Silveira Difini vem afirmando que a falta de aumento do custeio inviabiliza os serviços públicos. A Secretaria do Planejamento, no entanto, afirma que para cada ponto percentual a mais nas despesas com pessoal em todos os poderes haveria impacto de cerca de R$ 250 milhões no orçamento. Se a LDO contemplasse a inflação no lugar dos 3% aprovados, por exemplo, os gastos aumentariam em mais de R$ 1,75 bilhão, segundo o governo. A quantia, equivalente a quase duas folhas de pagamento do Executivo, foi o argumento apresentado aos líderes do Legislativo, Judiciário, Ministério Público Estadual (MP), Defensoria e Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Enquanto os parlamentares discutiam o projeto, o líder do governo na Assembleia, deputado Gabriel Souza (PMDB) conversou com Difini, com o procurador-geral do Estado, Marcelo Dornelles, e com o presidente do TCE, Marcos Peixoto. Souza sinalizou com a possibilidade de suplementação orçamentária caso a receita do Rio Grande do Sul aumente no próximo ano. Para ele, houve destencionamento das relações com os órgãos e poderes, já que nem a LDO, nem a LOA são definitivas. 

— A vida não acaba na LDO. Não podemos romper uma relação entre os poderes a partir de uma aprovação de uma lei de diretrizes orçamentarias — justificou Souza, ao afirmar que está aberto às propostas encaminhadas ao governo.

Aliados do governo, o PTB e parte do PDT votaram contra a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Porém, deputados dos dois partidos aprovaram o parecer do relator na Comissão de Finanças, antes do projeto ter ido ao plenário. Das 91 emendas apresentadas, 18 foram aprovadas junto com o texto principal. Nenhuma delas altera o indexador dos gastos com pessoal ou descongela o que foi proposto pelo governo do Estado. O governador José Ivo Sartori deve sancionar a LDO até o dia 15 de julho. 


Projeto foi alvo de protestos

Com as galerias do plenário lotadas, representantes de sindicatos do Estado pressionaram os deputados a irem contra a estagnação do orçamento proposto pelo Executivo. Gritando palavras de ordem e segurando cartazes, alguns presentes usaram panelas para protestar contra o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) aprovado. Sindicalistas, líderes do Judiciário, Ministério Público Estadual (MP) e deputados da oposição afirmam que o contingenciamento afeta diretamente a qualidade dos serviços públicos.

Durante a discussão das emendas, o deputado Adão Villaverde (PT) afirmou que o Piratini foi intransigente com a falta de diálogo enquanto elaborava a proposta. Para ele, a saída não é o congelamento do custeio, mas o investimento em setores da economia:

— O governo não apresenta propostas para fazer o Rio Grande do Sul crescer e se desenvolver porque, em um momento que o Estado está em dificuldade financeira, só tem uma saída, que é gerar emprego, renda e, assim, aumentar a arrecadação do ICMS.

As críticas foram reforçadas por líderes de classe, como a presidente do Cpers, Helenir Schürer. Para ela, o congelamento proposto pelo governo é seletivo e nocivo à educação pública:

— Os educadores hoje estão em estado de falência. São três anos de contingenciamento para os servidores, mas o governador e o vice tiveram reajuste de 46%, os secretários, de 64%, e os deputados, de 26,6%.

O procurador-geral de Justiça, Marcelo Lemos Dornelles, disse que a estagnação do orçamento do MP vai prejudicar o órgão, já que a maioria das despesas de custeio aumentam ao longo do ano. Além disso, Dornelles explicou que a LDO pode limitar o trabalho de operações e investigações do MP na área criminal:

— Se não melhorar nada para o ano que vem, teremos sérias dificuldades que irão, sim, impactar no serviço que prestamos e talvez até no horário que trabalhamos, porque precisamos reduzir e não tem onde. Esses trabalhos (operações) custam, porque preciso mobilizar promotores, policiais, fazer estratégias, tem o deslocamento. Isso custa caro, porque sai da rotina, representa pagamento de diária, uso de veículo. Se não tiver como custear, obviamente vamos ter de reduzir.

Leia todas as notícias de política

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.