Irregularidades

"Não sei do que estão me acusando", diz Sérgio Gabrielli sobre decisão do TCU

Tribunal determinou o bloqueio de bens do ex-presidente da Petrobras por irregularidades e superfaturamento ocorridos em contratos da refinaria Abreu e Lima

Por: Estadão Conteúdo
21/09/2016 - 20h27min | Atualizada em 21/09/2016 - 20h27min
"Não sei do que estão me acusando", diz Sérgio Gabrielli sobre decisão do TCU Laycer Tomaz/Câmara dos Deputados/Divulgação
José Sérgio Gabrielli é ex-presidente da Petrobras Foto: Laycer Tomaz/Câmara dos Deputados / Divulgação

O ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse que não tem conhecimento das acusações apresentadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em relação a irregularidades cometidas em contratos da Refinaria Abreu e Lima, de Pernambuco.

— Não posso me defender se não sei do que estou sendo acusado. Não há tipificação de responsabilidade. Não tenho nenhuma relação direta com o que aconteceu com essas refinarias — disse ao jornal O Estado de S.Paulo.

Leia mais:
Marco Aurélio desbloqueia bens de Léo Pinheiro e de mais um executivo da OAS
Relator quer isentar ministro de Temer de punição por pedaladas
Ministro do STF suspende decisão do TCU que bloqueou R$ 2,1 bi da OAS

Na quarta-feira, o TCU determinou o bloqueio de bens de Gabrielli, além do ex-diretor de serviços da Petrobras, Renato Duque, da empreiteira Queiroz Galvão, da Iesa Óleo e Gás e do Consórcio Ipojuca Interligações, por conta de irregularidades e superfaturamento ocorridos em contratos de obras de "tubovias" da refinaria.

— É uma arbitrariedade que está sendo feita — reagiu Gabrielli, ao saber da decisão do TCU por meio da reportagem.

O ex-presidente da Petrobras já está com seus bens bloqueados pela corte de contas devido a decisões anteriores que apuram irregularidades em contratos da estatal.

— É a terceira ou quarta vez que me incluem (entre pessoas com bens bloqueados). Tenho recorrido internamente no TCU e também no STF (Supremo Tribunal Federal) — disse.

Na decisão desta quarta-feira, o TCU cobra a devolução de R$ 682 milhões dos envolvidos, valor que terá que ser atualizado, pois trata-se de transações realizadas entre 2010 e 2015. Na decisão, o TCU determina que a medida deve bloquear "os bens considerados necessários, para garantir o integral ressarcimento do débito em apuração imputado a cada responsável". Ficam de fora dessa conta "os bens financeiros necessários ao sustento das pessoas físicas e à continuidade das operações das pessoas jurídicas".

Leia as últimas notícias de Política

*Estadão Conteúdo

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.