Lavagem de dinheiro

Okamotto pede novo habeas corpus para trancar ação da Lava-Jato

Na mesma ação, ex-presidente Lula é acusado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do apartamento triplex no Guarujá

Por: Estadão Conteúdo
23/09/2016 - 15h16min | Atualizada em 23/09/2016 - 15h16min
Okamotto pede novo habeas corpus para trancar ação da Lava-Jato Ver Descrição/Ver Descrição
O presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e o ex-presidente são acusados por lavagem de dinheiro Foto: Ver Descrição / Ver Descrição

O presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, entrou com novo pedido de habeas corpus, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), para trancar a ação penal em que é réu por crime de lavagem de dinheiro.

Na mesma ação, o ex-presidente Lula é acusado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do apartamento triplex do Condomínio Solaris, no Guarujá (SP).

Leia mais
Tribunal nega recurso de Okamotto para trancar denúncia da Lava-Jato
Moro autoriza e STF vai receber informações dos arquivos do celular de Odebrecht
Depoimentos de presos pela Arquivo X ocorrem nesta sexta-feira em Curitiba

O habeas para Okamotto é subscrito pelo criminalista Fernando Augusto Fernandes, responsável pela defesa do presidente do Instituto Lula. O pedido foi protocolado na noite desta quinta-feira.

O TRF4 mantém jurisdição inclusive em Curitiba, base da Lava-Jato.

No início da semana, o juiz federal Sergio Moro, símbolo da Lava-Jato, acolheu denúncia da Procuradoria da República contra Okamotto, Lula, a mulher do petista, Marisa, o empreiteiro Léo Pinheiro e mais cinco alvos.

Okamotto é acusado de ter ajudado Lula a guardar bens pessoais que o ex-presidente recebeu durante seus dois mandatos (2003/2010). Segundo a denúncia, a empreiteira OAS — supostamente beneficiada em contratos com a Petrobras na gestão do petista — bancou despesas no valor de R$ 1,1 milhão para estocar os objetos.

O argumento central do pedido de habeas é que "não há vantagem ilícita no valor pago para a conservação de um acervo considerado como patrimônio cultural brasileiro de interesse público pela Lei 8394/91".

A defesa havia entrado com pedido semelhante no último dia 15 — logo que a Procuradoria ofereceu a denúncia contra Okamotto —, mas o habeas corpus foi negado pelo desembargador João Pedro Gebran Neto.

Relator da Lava-Jato no TRF4, Gebran entendeu que somente seria possível apreciar o pedido após decisão do juiz Moro, o que ocorreu depois do primeiro habeas.

No pedido, o criminalista Fernando Augusto Fernandes destaca que entre os pertences de Lula há 400 mil cartas "enviadas pelo povo brasileiro".

Leia as últimas notícias sobre a Operação Lava-Jato

*Estadão Conteúdo


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.