Decisão

Justiça inocenta 14 por cratera do Metrô, em São Paulo

Sete pessoas morreram após o desmoronamento do canteiro engolir casas, três carros, três caminhões e um micro-ônibus, em 2007

Por: Estadão Conteúdo
19/10/2016 - 10h05min

A Justiça de São Paulo inocentou 14 acusados pelo acidente na obra da Estação Pinheiros do Metrô, na zona oeste da capital, em janeiro de 2007. Sete pessoas morreram após o desmoronamento do canteiro abrir uma cratera de mais de 80 metros de diâmetro e 30 de profundidade, que engoliu casas, três carros, três caminhões e um micro-ônibus. Para o Ministério Público (MP), o Judiciário foi "por demais condescendente com a culpa penal" e desconsiderou as provas.

A promotoria recorreu da sentença, dizendo que a tese da defesa é a "mais fácil e rasa". O recurso deverá ser analisado no próximo mês. Entre os réus da ação penal, cinco eram funcionários do Metrô e nove, do consórcio responsável pela obra ou de terceirizados. "Não ficou demonstrado que a conduta deles concorreu para a ocorrência do acidente", informou, na decisão, a juíza Aparecida Angélica Correia, da 1.ª Vara Criminal de São Paulo.

Leia mais
Laudo aponta série de erros em acidente no metrô de SP 
Desembargador que anulou júri do Carandiru insinua que imprensa é financiada por crime organizado

Segundo a magistrada, a denúncia foi oferecida com base em relatório técnico, cujas conclusões apontam indícios de autoria. "Ocorre, porém, que durante a instrução probatória tais conclusões não foram sustentadas." A decisão foi proferida em maio.

As obras da Linha 4-Amarela eram feitas pelo Consórcio Via Amarela, liderado pela Odebrecht. As empresas OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez também faziam parte. Procurada, a Odebrecht não quis se manifestar.

Ao comentar a decisão da Justiça, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou, na terça-feira, que o "processo é criminal" e "nem o governo nem o Metrô" fazem parte dele. 

— O processo civil já caminhou, o governo do Estado deu todo o apoio às vítimas e às famílias e a maioria absoluta já foi indenizada, a seguradora pagou — disse. 

Em nota, o Metrô afirmou que não iria se pronunciar.

Acidente

Segundo a denúncia do MPE, as estruturas do túnel da estação apresentaram "movimentação anômala" um mês antes da tragédia. O problema teria sido detectado por instrumentos de segurança. Mesmo assim, as escavações continuaram, disse a promotoria.

Em reunião com engenheiros e geólogos da obra, feita em janeiro de 2007, ficou decidido que as paredes do túnel deveriam ser reforçadas com 345 tirantes — peças que sustentam a estrutura. Segundo a acusação, no entanto, o acidente aconteceu sem que a providência fosse tomada. Para a promotoria, os réus foram "negligentes".

Na decisão, a juíza afirmou que "todas as equipes acompanhavam cuidadosamente cada passo da execução e não apontaram qualquer situação que indicasse a possibilidade de um acidente". Já a medição dos instrumentos de segurança "não atingia um estado de alerta". "O plano de emergência foi colocado em prática e de maneira eficiente", disse a magistrada. Já o MP considera que a tese de que não seria possível prever o acidente "não seria aceita em nenhuma outra nação civilizada".

Para a promotora Amaitê Iara Giriboni, da 2.ª Promotoria de Justiça Criminal de Pinheiros, "há farta demonstração extraída de dezenas de depoimentos testemunhais e de robustos laudos técnicos, de que os responsáveis pela execução da obra (...) desprezaram os basilares cuidados profissionais". 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.