Articulação

Oposição promete apresentar segundo pedido de impeachment de Temer

Pedido de afastamento se baseia no envolvimento do peemedebista no conflito entre os ex-ministros Marcelo Calero e Geddel Veira Lima

Por: Estadão Conteúdo
06/12/2016 - 12h35min | Atualizada em 06/12/2016 - 12h35min
Oposição promete apresentar segundo pedido de impeachment de Temer DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO / ESTADÃO CONTEÚDO  

Os partidos de oposição PT e PCdoB prometem apresentar, nesta terça-feira, às 15h, mais um pedido de abertura de processo de impeachment do presidente Michel Temer (PMDB) na Câmara dos Deputados. Na semana passada, o PSOL protocolou o primeiro pedido com teor semelhante.

O PT informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o pedido vai ser apresentado na mesa diretora da Casa e é assinado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e juristas, como Marcelo Neves e Cláudio Fonteles, que foi procurador-geral da República durante o primeiro mandato do governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Leia mais
Projeto sobre abuso de autoridade deve sair da pauta no Senado
Renan se recusa a receber notificação judicial sobre afastamento
Reforma da Previdência acaba com fator previdenciário e fórmula 85/95

Segundo o partido, o pedido de afastamento do presidente se baseia no envolvimento do peemedebista no conflito gerado entre o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, e o ex-ministro da Secretaria de Governo, Geddel Veira Lima.

"A fundamentação do pedido se baseia no envolvimento de Temer em crime de responsabilidade e advocacia administrativa, quando o presidente golpista pressionou o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, a 'achar uma solução' para a solicitação do ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, que queria a liberação de uma obra embargada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pois teria interesses particulares no prédio", afirma a legenda.

O pedido do PSOL também aponta para crime de responsabilidade no envolvimento de Temer com uma "questão particular" de Geddel.

O líder do PT na Câmara, Afonso Florence, afirmou por meio da assessoria do partido que a ação não é política, mas é a constatação de que houve crime de responsabilidade. O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) disse que os parlamentares não vão assinar o pedido, apenas apoiar, para que não fiquem impedidos de participar do processo, inclusive das votações.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.