Após rebeliões

Conselho de procuradores-gerais determina auditoria em sistema penitenciário

Órgão quer coletar dados sobre estrutura e custos das unidades prisionais da Região Norte

Por: Estadão Conteúdo
11/01/2017 - 15h17min
Conselho de procuradores-gerais determina auditoria em sistema penitenciário HO / SESIP/AFP
Pelo menos 57 detentos morreram durante a rebelião no Comparj Foto: HO / SESIP / AFP  

O Conselho Nacional de Procuradores-Gerais (CNPGG) determinou a realização de auditorias operacionais no sistema penitenciário da Região Norte, após os massacres que mataram pelo menos 97 detentos no Amazonas e em Roraima neste ano. O órgão quer coletar dados sobre estrutura e custos das unidades prisionais.

Membros do Ministério Público de Contas (MPC) da Região Norte protocolaram representações no Tribunal de Contas dos seus Estados nesta terça-feira. "A estratégia visa a construir um ambiente totalmente voltado para a melhoria da gestão, do controle dos gastos e das receitas, que envolvem o sistema", afirma o CNPGG, em nota.

Leia mais
Integrantes da FDN são transferidos para presídios federais
Diretor de presídio em Manaus é afastado após denúncias de detentos
Em Manaus, detentos ameaçados trocam de prisão duas vezes em apenas 24 horas 

Na nota, o procurador-geral do MPC de Roraima, Adilson Moreira de Medeiros, afirma que "o problema revelado não possui fronteiras" e que as medidas terão mais eficiência "se as soluções englobarem a realidade de toda a região".

O órgão também enviou ao Tribunal de Contas da União (TCU) um pedido para auditar o sistema penitenciário em todo o país. "Os dados afinal coletados poderão ser úteis para a análise das contas de Governo, podendo subsidiar eventuais ações do Ministério Público Estadual, além de serem divulgados à sociedade e aos órgãos de controle, em geral, como, por exemplo, ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ)", diz a nota.

Massacre em Manaus

Um sangrento confronto entre facções no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, deixou 56 mortos entre a tarde de 1º de janeiro e a manhã do dia 2. A rebelião, que durou 17 horas, acabou com detentos esquartejados e decapitados no segundo maior massacre registrado em presídios no Brasil - em 1992, 111 morreram no Carandiru, em São Paulo. Treze funcionários e 70 presos foram feitos reféns e 184 homens conseguiram fugir. Outros quatro presos foram mortos no Instituto Penal Antonio Trindade (Ipat), também em Manaus. Segundo o governo do Amazonas, o ataque foi coordenado pela facção Família do Norte (FDN) para eliminar integrantes do grupo rival, o Primeiro Comando da Capital (PCC).

Cinco dias depois, o PCC iniciou sua vingança e matou 31 detentos na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (PAMC), em Boa Vista, Roraima. A maioria das vítimas foi esquartejada, decapitada ou teve o coração arrancado, método usado pelo PCC em conflitos entre facções. Com 1.475 detentos, a PAMC é reduto do PCC, que está em guerra contra a facção carioca Comando Vermelho (CV) e seus aliados da FDN. Roraima tem 2.621 presos - 900 dos quais pertenceriam a facções, a maioria do PCC. No total, 27 facções disputam o controle do crime organizado nos Estados.

A guerra de facções deixou o sistema penitenciário em alerta, os e governadores de Amazonas, Roraima, Rondônia, Acre, Tocantins, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul pediram ajuda do governo federal com o envio da Força Nacional. Amazonas foi o primeiro Estado a receber. A crise é tamanha que, segundo o Conselho Nacional de Justiça, são necessários R$ 10 bilhões para acabar com déficit prisional no país.

Leia as últimas notícias de Polícia

*Estadão Conteúdo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.