Justiça

AGU recorre de decisão que suspendeu propagandas sobre reforma da Previdência

No recurso, a AGU argumenta que a campanha publicitária tem objetivo de esclarecer à sociedade sobre a situação financeira da Previdência Social e a necessidade da reforma

Por: Agência Brasil
16/03/2017 - 20h10min | Atualizada em 16/03/2017 - 20h10min
AGU recorre de decisão que suspendeu propagandas sobre reforma da Previdência Reprodução / YouTube Portal Brasil/YouTube Portal Brasil
Foto: Reprodução / YouTube Portal Brasil / YouTube Portal Brasil  

A Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou, nesta quinta-feira, recurso contra a decisão da Justiça que suspendeu a veiculação de propagandas do governo federal sobre a reforma da Previdência. No recurso, a advocacia sustenta que é dever da administração pública divulgar suas ações para a população. A petição foi apresentada ao Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região, sediado em Porto Alegre.

Leia mais:
Justiça federal suspende propaganda do governo sobre reforma da Previdência
Centrais sindicais realizam protestos contra a reforma da Previdência
No Facebook, PMDB ameaça com o fim do Bolsa Família se a reforma da Previdência não for aprovada

No recurso, a AGU argumenta que a campanha publicitária tem objetivo de esclarecer à sociedade sobre a situação financeira da Previdência Social e a necessidade da reforma. A AGU ressalta que a Previdência encerrou o exercício financeiro de 2016 com déficit de R$ 140 bilhões e as mudanças são necessárias diante da projeção de envelhecimento da população.

"A divulgação de publicidade institucional destinada a chamar a atenção para tema relevante a ser discutido por toda a sociedade, mais do que um direito, é um dever dos poderes constituídos", diz o órgão. 

Na quarta-feira, a juíza Marciane Bonzanini, da 1ª Vara Federal de Porto Alegre, determinou a suspensão da veiculação de propagandas do governo federal sobre a reforma da Previdência. Ela atendeu a um pedido de decisão liminar feito por nove sindicatos do Rio Grande do Sul. 

A juíza entendeu que "a campanha publicitária retratada neste feito não possui caráter educativo, informativo ou de orientação social, como exige a Constituição".

A magistrada deu 72 horas para o governo se manifestar, mas ordenou a notificação para a suspensão imediata das propagandas, em todo território nacional, sob pena de multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento.

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.