Por envolvimento na Lava-Jato

Deputados do PMDB pedem saída de Jucá da presidência da sigla

Grupo também cobra que novos dirigentes do partido comecem "imediatamente" a discussão para escolher um candidato do PMDB à Presidência da República em 2018

Por: Estadão Conteúdo
07/03/2017 - 13h55min | Atualizada em 07/03/2017 - 13h55min
Deputados do PMDB pedem saída de Jucá da presidência da sigla Agência Senado / Divulgação/
Foto: Agência Senado / Divulgação  

Deputados do PMDB divulgaram, nesta terça-feira, minuta de carta em que pedem o afastamento, do comando nacional do partido, de todos os dirigentes acusados de envolvimento no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava-Jato. No documento, eles defendem a escolha de uma nova direção "isenta" e cobram que os novos dirigentes comecem "imediatamente" a discussão para escolha de um candidato do PMDB à Presidência da República em 2018.

"Deveriam se afastar do comando nacional do partido e de seus órgãos nacionais auxiliares todos aqueles sobre quem pesam acusações/factíveis no âmbito da operação Lava-Jato, até para que os mesmos possam se dedicar a suas defesas", afirma a carta, sem citar nominalmente os integrantes investigados da cúpula. O documento foi escrito pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS) e assinado, por enquanto, por outros três deputados peemedebistas: Hildo Rocha (MA), João Arruda (PR) e Lúcio Mosquini (RO).

Leia mais
Secom confirma André Moura como líder do Congresso e Jucá como líder do Senado
Líderes do PMDB, PT e PP defendem projeto contra sigilo de investigações
Jucá pede desculpas por citar "suruba" e diz que se referia a música dos Mamonas

Ao menos três integrantes do comando do PMDB foram citados na Lava-Jato. O principal deles é o senador Romero Jucá (PMDB-RR), presidente nacional do partido. Além dele, foram citados nas investigações o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), que é tesoureiro da legenda, e o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, que é presidente da Fundação Ulysses Guimarães, ligada à sigla. Todos negam irregularidades.

"Quanto a permanência no governo, a mesma depende da confiança do presidente (Michel) Temer, que estabeleceu como linha de corte a aceitação de eventual denúncia (contra o integrante do governo) pelo STF (Supremo Tribunal Federal)", afirmam os deputados na minuta da carta.

No documento, os deputados pedem que a nova direção do PMDB "imediatamente" comece "uma avaliação entre os quadros do partido daqueles que, também completamente isentos, poderiam representar o partido nas próximas eleições presidenciais". "É fundamental que avancemos neste sentido, até porque não é possível que ainda estejamos pensando em ser sócios de algum governo que aparentemente tenha mais chance do que nós de vencer as eleições", dizem.

Ao Broadcast Político, serviço de notícia em tempo real do Grupo Estado, Marun afirmou que pretende abordar a bancada do PMDB nesta terça-feira em busca de mais apoios à carta. A ideia inicial era entregar o documento a Jucá na quarta-feira, durante reunião da Executiva Nacional do PMDB, mas o deputado disse que isso ainda não está certo.

— Podemos adequar alguma coisa no texto, podemos ver o momento certo de avançarmos com isso. São todas coisas que vamos avaliar no dia de hoje — afirmou.

Leia as últimas notícias de Política

*Estadão Conteúdo