Congresso

Governo teme que manifestações do dia 28 contaminem reformas

Interlocutor afirma que, se mobilização convocada por centrais sindicais for muito grande, poderá fazer com que deputados desistam de apoiar as reformas, por medo da pressão popular

Por: Estadão Conteúdo
19/04/2017 - 14h59min | Atualizada em 19/04/2017 - 15h04min
Governo teme que manifestações do dia 28 contaminem reformas Laycer Tomaz/Câmara dos Deputados
Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos Deputados  

O governo vai tentar votar ainda nesta quarta-feira um novo requerimento de urgência para acelerar a tramitação da reforma trabalhista na Câmara. A pressa para aprovar o texto passa pelo temor de que as manifestações convocadas pela oposição para o próximo dia 28 façam os deputados da base desistirem de apoiar o projeto.

— Eu estou avisando, se não aprovarem a urgência do projeto, a reforma pode ir para as calendas — disse o relator do texto, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), usando uma expressão que significa adiar algo para uma data que nunca há de vir.

Leia mais
Lobão marca votação no Senado do abuso de autoridade para dia 26
Relator lê parecer sobre reforma da Previdência em comissão especial
Mudanças no texto da reforma da Previdência acabaram, diz Meirelles

As centrais sindicais convocaram para o próximo dia 28 uma greve geral contra as reformas da previdência, trabalhista e a aprovação da Lei da Terceirização irrestrita. Um interlocutor do governo afirma que, se a mobilização for muito grande, poderá fazer com que deputados desistam de apoiar as reformas, por medo da pressão popular.

A derrota durante a votação do requerimento de urgência nesta terça-feira surpreendeu o Palácio do Planalto, que vê a aprovação da reforma trabalhista como um termômetro para o apoio que o governo vai ter nas mudanças da Previdência.

O governo precisava de 257 votos a favor, mas conseguiu apenas 230. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), assumiu a responsabilidade da derrota e disse que cometeu um erro ao colocar o projeto em votação quando não havia número suficiente de deputados no plenário.

Nesta quarta, ele afirmou que a votação serviu de alerta para a base aliada perceber que precisa "ficar mais atento para não levar susto". O líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), começou o dia ligando para líderes da Casa para garantir a aprovação da urgência.

Se não conseguir aprovar o requerimento nesta quarta, a tramitação da reforma deve atrasar, pois o texto terá que seguir prazos regimentais e poderá ser votado na comissão somente daqui a duas semanas. A ideia do governo, porém, é aprovar o projeto no plenário da Câmara já na próxima semana.

Votação no dia seguinte a 1º de maio não representa risco, diz Arthur Maia

O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), avaliou que o fato de a votação de seu relatório ter sido marcada para o dia 2 de maio, depois do feriado do Dia do Trabalhador, não representa um risco. Nessa data, estão previstos protestos em todo o país contra a reforma. 

— Mas o protesto vai ser dentro da Comissão? — ironizou.

Ele avaliou como favorável o acordo fechado entre as lideranças governistas e a oposição para o início da votação no dia 2 de maio, sem obstrução até lá. 

— Desde quando fazer acordo é derrota? É um acordo favorável para votar a PE — disse.

Oliveira Maia também rebateu a avaliação de que a seu parecer desidratou a proposta original de reforma da Previdência. 

— Como desidratou? O parecer só faz aumentar — ressaltou.

Leia as últimas notícias de Política

*Estadão Conteúdo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.