Ponto a ponto

Reforma da Previdência: entenda as principais mudanças da proposta

Embora tenha atenuado pontos do projeto original, texto do projeto que irá a votação também inclui mudanças que dificultam a aposentadoria

19/04/2017 - 21h54min | Atualizada em 19/04/2017 - 21h55min

O texto final da proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência, que começou a ser lido nesta quarta-feira na Câmara, traz pontos que atenuam o projeto original do governo, mas também inclui mudanças que podem deixar mais longe a aposentadoria.

As mulheres ganharam ao verem a idade mínima cair de 65 (igual para homens) para 62 anos, assim como o trabalhador rural, que teve seu tempo de contribuição mínimo reduzido para 15 anos — o governo queria 25 anos. Vincular pensões e benefícios ao salário mínimo foi outro amortecimento.

Mas o relatório endureceu no cálculo do benefício. Quem pedir aposentadoria assim que completar 25 anos de contribuição — tendo alcançado a idade mínima — receberá 70% do valor do benefício, contra 76% pela proposta do Executivo. A cada ano em que postergar a aposentadoria, recebe incremento que varia de 1,5 a 2,5 pontos percentuais.

Leia mais:
Apesar de recuo, governo ainda vê desafio para aprovar reforma da Previdência
Relator da reforma da Previdência confirma mínimo de 55 anos para policiais
Mudanças no texto da reforma da Previdência acabaram, diz Meirelles

As mudanças nas regras de transição trouxeram mais dúvidas aos trabalhadores. Pela primeira proposta do Planalto, mulheres com 45 anos e homens com 50 anos na data da promulgação precisariam arcar com acréscimo de 50% sobre o tempo que ainda teriam para chegar a 30 e 35 anos de trabalho. Agora, todos os trabalhadores já inscritos no INSS ficam sujeitos à idade mínima de 53 anos (mulheres) e 55 anos (homens) – que irá aumentar a cada dois anos. Mas o pedágio a ser pago ficou menor: passou para 30%.

— O mais preocupante é que, agora, vai ter idade mínima a partir do dia da publicação da reforma. Pulou para 53 anos para mulher e 55 anos para homem, ponto que mais afeta as pessoas que vão se aposentar por tempo de contribuição — diz a presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), Jane Berwanger, completando:

— Seria vantajoso para o sistema manter as duas formas (aposentadoria por idade e fator previdenciário). Alguém que tenha 30 anos de contribuição e 55 anos de idade poderia legalmente se aposentar, mas ainda poderia contribuir mais tempo. Seria mais vantagem para o governo que as pessoas contribuíssem por mais tempo, não baixar tempo mínimo de todos para 25 anos de contribuição — avalia a advogada.

Veja no quadro abaixo os detalhes de cada mudança proposta


Leia as últimas notícias de Política

* Colaborou Vanessa Kannenberg

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.